texas-moody

19 jornalistas de Equador e Colômbia publicam reportagem especial sobre os três jornalistas equatorianos assassinados em abril

*Esta nota foi atualizada às 14:25 de 26/10/2018.

Por mais de quatro meses, 19 jornalistas equatorianos e colombianos de diferentes meios de comunicação, juntamente com organizações nacionais e internacionais, seguiram os passos de três colegas de imprensa sequestrados e assassinados na fronteira entre os dois países no início deste ano.

Reprodução

Para a reportagem “Fronteira Mortal”, os jornalistas analisaram as vidas de Javier Ortega, Paul Rivas e Efraín Segarra, os dois jornalistas e o motorista do jornal El Comercio do Equador, sequestrados em 26 de março deste ano e depois mortos por um grupo dissidente das FARC. Eles queriam descobrir as razões e circunstâncias que levaram aos eventos para entender melhor o que aconteceu com seus colegas.

A reportagem foi publicada mundialmente em espanhol, inglês e francês no dia 24 de outubro, quase seis meses depois que o presidente equatoriano Lenín Moreno anunciou oficialmente a morte dos três trabalhadores da imprensa em 13 de abril.

O trabalho também libera algumas descobertas que não foram divulgadas até a publicação. Um dos mais importantes é que eles descobriram que em 28 de março havia uma operação de resgate planejada para os jornalistas que era coordenada entre o governo equatoriano, as forças armadas e o grupo dissidente das FARC. A operação nunca foi concluída, pois os jornalistas nunca apareceram.

Isabela Ponce, uma das jornalistas do coletivo equatoriano Periodistas Sin Cadenas que participou da reportagem, disse ao Centro Knight que "Fronteira Mortal" surgiu como uma iniciativa de jornalistas e organizações no Equador e na Colômbia em face do sigilo com que seus governos agiram com relação aos seqüestros.

As versões dos raptos que os governos de ambos os governos deram obscureceram a importância do trabalho dos jornalistas, omitindo dados e dando informações que não eram muito transparentes, disse Jonathan Bock, da Fundação para Liberdade de Imprensa (FLIP) da Colômbia, ao Centro Knight.

FLIP, La Liga contra el Silencio, Verdad Abierta e Organized Crime and Corruption Reporting Project (OCCRP) foram as organizações e meios de comunicação que se juntaram no lado colombiano. OCCRP acompanhou desde a definição dos temas, a coordenação editorial, com apoio financeiro e com a disponibilização de plataformas para a troca de arquivos de maneira segura. No Equador, participaram a organização Fundamedios e 10 jornalistas de diversos meios que criaram o coletivo Periodistas Sin Cadenas.

Segundo Ponce, os jornalistas equatorianos formaram o coletivo após a morte dos jornalistas sequestrados, sentindo-se muito desprotegidos pelo Estado e pela mídia tradicional na realização de seu trabalho.

Eles também se reuniram para "continuar dizendo a verdade", disse Ponce, referindo-se ao fato de que, com a reportagem, fizeram uma primeira tentativa de continuar o trabalho de investigação que Ortega havia iniciado há um ano naquela área de fronteira.

Reprodução

Segundo Bock, a pequena área fronteiriça entre o Equador e a Colômbia dividida em parte e naturalmente pelo rio Mataje é uma das mais militarizadas da América do Sul, com a presença de "mais de 18 mil agentes militares dos dois países".

De acordo com Bock e Ponce, os cadernos jornalísticos que Ortega tinha em sua casa, sobre suas visitas passadas à província de Esmeralda, continham informações sobre supostas ligações entre as forças policiais e os grupos guerrilheiros dedicados ao tráfico de drogas que controlam essa área.

Em "Fronteira Mortal", os jornalistas desenvolveram quatro temas principais: a reconstrução do rapto e subsequente assassinato de Ortega, Rivas e Segarra; a continuação da reportagem que Ortega estava fazendo na área de fronteira por um ano; a realidade de uma área de fronteira abandonada por ambos os Estados; e sua alta militarização e predominância de grupos dissidentes das FARC.

Entre eles está o grupo dissidente Frente Óliver Sinisterra, comandado por Walther Arizala, vulgo "Guacho", que supostamente sequestrou e executou os três trabalhadores do El Comercio depois que as negociações com o governo equatoriano fracassaram.

Antes do resultado fatal, quando os jornalistas foram sequestrados e ainda estavam vivos, Ponce contatou Forbidden Stories para buscar seu apoio. É um projeto da organização jornalística sem fins lucrativos Freedom Voices Network, cujo objetivo é continuar contando as histórias de jornalistas assassinados.

Após a morte dos jornalistas, a organização internacional se uniu ao esforço colaborativo para participar do projeto com apoio econômico, logístico e de divulgação. Eles também fizeram alguns vídeos e textos documentários para transmissão em meios em inglês e francês.

Reproducão

Reproducão

Com esta primeira parte da reportagem, Ponce disse, eles decidiram responder várias das perguntas que o Estado (equatoriano) nunca respondeu.

"Eles não queriam responder a maioria das entrevistas, ainda há um silêncio muito grande", disse ela. A jornalista equatoriana e vice-editora do site GK City anunciou que publicará mais informações sobre o assunto, eventualmente, em outras partes, a fim de continuar honrando a memória de seus colegas.

"Onde os espaços para o jornalismo são fechados, deve haver mais jornalismo", disse Bock, da FLIP, sobre outra das importantes motivações que esse grupo binacional de jornalismo teve como principal motivação para realizar esse trabalho.

Além dos textos, a reportagem contém vídeos, ilustrações, mapas e um cronograma interativo. Uma dessas peças tenta reproduzir a jornada dos jornalistas antes de seu sequestro. Há também pequenas entrevistas que retratam os habitantes da área, que são apresentados na reportagem através de fotografias com áudio.

 

Mais artigos