texas-moody

Ao ser agredido por tentar exercer seu trabalho, um jornalista colombiano exige que sua profissão seja respeitada

Por Liliana Honorato

Um jornalista colombiano foi agredido com socos no rosto enquanto tentava cobrir as queixas de cidadãos nos escritórios da administração fiscal do estado de Bolívar, em Cartagena, Colômbia, informou o El Universal.

Esta não é a primeira vez que o jornalista da rádio RCN Mundo Cartagena, Dereck Álvarez, foi vítima de agressões enquanto trabalhava como jornalista, acrescentou o El Universal. Por isso, Álvarez afirmou que vale a pena denunciar esse tipo de atos criminosos contra jornalistas, para que as pessoas percebam que “cada um cumpre suas funções, e é preciso ter respeito”, disse o jornalista.

A Colômbia ocupa uma das piores posições (143 de 179 países) na Classificação Mundial da Liberdade de Imprensa 2011-2012 que a organização Repórteres sem Fronteiras publicou no início deste ano. Em 2012, na Colômbia, dois jornalistas foram assassinados e vários jornalistas sairam de suas cidades após receberem ameaças. A maioria das ameaças é feita por guerrilhas, principalmente pelas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), que em 2012 já sequestraram por mais de um mês o jornalista francês Roméo Langlois, em abril, e tentaram assassinar o ex-ministro e jornalista Londoño Hoyos num atentado terrorista em maio.

No início de fevereiro, a Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP) e a Federação Colombiana de Jornalistas (FECOLPER) apresentaram informes manifestando sua preocupação sobre o estado da liberdade de imprensa na Colômbia. A violência, a autocensura e a impunidade foram apontados como os problemas mais preocupantes para o exercício jornalístico no país.

Nota do editor: Essa história foi publicada originalmente no blog Jornalismo nas Américas do Centro Knight, o predecessor do LatAm Journalism Review.

Mais artigos