texas-moody

Fórum Centro-Americano de Jornalismo é realizado em meio a casos de assédio e perseguição à imprensa

Pela primeira vez, é realizado pessoalmente o Fórum de Jornalismo da América Central (Fórum Cap) em três países: Guatemala, Honduras e El Salvador.

Em uma semana, o chamado triângulo norte da América Central acolheu 15 palestras, 5 master classes, 4 workshops presenciais, um documentário, um stand-up ilustrado e um concerto de encerramento. Além disso, foram mais de 50 convidados em que se destacaram jornalistas, especialistas em mídia, lideranças políticas e artistas.

Carlos Dada fala na abertura do Forocap (foto da mídia social)

Carlos Dada fala na inauguração da Forocap (foto tirada das redes sociais)

Por ser um evento convocado e organizado pelo jornal digital salvadorenho El Faro, primeiro jornal criado exclusivamente para a internet em toda a América Latina, San Salvador servia como sede desde 2010. No entanto, este ano os organizadores estavam preocupados com as autoridades salvadorenhas pudessem impedir que alguns dos convidados entrassem no país.

Em julho passado, o governo do presidente Nayib Bukele decidiu  expulsar do país e negar a permissão de trabalho ao editor mexicano do El Faro Daniel Lizárraga. O argumento, como disse na época o diretor e fundador do El Faro, Carlos Dada, é que Lizárraga não poderia provar que era jornalista.

“Aproveitamos essa crise para fazer o fórum caminhar pela América Central”, disse Dada na abertura do evento. “Queríamos muito fazer o fórum em outros países, mas nunca tivemos tempo ou recursos para fazê-lo. Deve ser a pressão do regime salvadorenho que nos impele a fazê-lo de uma vez por todas. O que fala ao mesmo tempo da situação de assédio que o jornalismo vive hoje na região e da vontade da empresa em responder com mais e melhor trabalho”, acrescentou Dada.

Um exemplo dessas pressões ocorreu durante a realização do fórum. Em 9 de novembro, a Assembleia Legislativa de El Salvador iniciou a discussão da  Lei dos Agentes Estrangeiros que visa “proibir a interferência estrangeira” naquele país, regulamentando e impondo um imposto de 40% sobre todas as organizações da sociedade civil ou indivíduos que recebam dinheiro de fora. Essa lei também se aplica à mídia e aos jornalistas, segundo o El Faro .

Dada expressou sua preocupação com o declínio da democracia pelos países da América Central. Principalmente por causa da perseguição jornalística realizada por seus governos.

O diretor do El Faro citou e avaliou algumas das situações que os jornalistas da América Central têm vivido: “monitoramento, espionagem de escutas telefônicas, deslegitimação e campanhas de ódio, abertura de processos judiciais, fabricação de processos e reformas jurídicas para fazer acusações lavagem de dinheiro”.

Ele também refletiu sobre os motivos dos ataques. Segundo Dada, os jornalistas representam um obstáculo à acumulação de poder e apresentam uma versão alternativa à realidade da propaganda, denunciando a corrupção e os abusos de poder.

“Gostaria de ver este fórum como uma oportunidade para refletir sobre nossa situação, para iniciar uma conversa que nos leve a enfrentar juntos, mais organizados e acompanhados, a onda de ataques orquestrados ao jornalismo centro-americano de cada um de nossos governos. Juntos, organizados, vamos resistir melhor”, disse o jornalista, dando as boas-vindas aos presentes.

Direitos humanos e política 

O Forocap não refletiu apenas sobre o passado, o presente e o futuro do jornalismo. Conforme descrevem em sua página no Facebook, o objetivo principal do evento “é ser um ponto de encontro entre os cidadãos e o jornalismo para poder discutir as urgências que enfrentam nossas sociedades”.

Uma dessas questões urgentes é a violação dos direitos humanos constitucionais e universais, como a igualdade perante a lei e a liberdade de expressão na região. Ao falar desses problemas, a política teve um peso importante nas diferentes conversas durante a semana do fórum.

A primeira palestra do evento foi intitulada “Memória, Verdade e Justiça”. Lá, os defensores dos direitos humanos (RH) e ativistas Otilia Lux de Cotí e Manuel Gonçalves Granada contaram suas histórias pessoais e seu trabalho na busca de desaparecidos após conflitos e ditaduras.

A conversa foi moderada pelo jornalista Juan Luis Font, diretor e cofundador da Concriterio, que respondeu ao discurso de inauguração de Dada dizendo: “Os jornalistas centro-americanos não serão silenciados. Os jornalistas centro-americanos farão um trabalho melhor, ofereceremos melhores informações, melhores discussões, melhores debates para que todos possamos continuar a nos enriquecer com um direito fundamental: a liberdade de expressão e o acesso à informação pública”.

Outra conversa aberta sobre política foi a palestra 'O que esperamos que mude em Honduras?', realizada em 9 de novembro. Nela, discutiram-se o assédio e a violação dos direitos humanos e ambientais das comunidades garífunas e a má gestão da pandemia COVID-19 naquele país. Mas também se discutiu o trabalho dos partidos políticos e a mudança de Suyapa Figueroa, presidente da Faculdade de Medicina de Honduras (CMH), que passou de ativista a candidato a deputado pelo Partido Salvadorenho de Honduras.

Continue fazendo jornalismo apesar dos ataques

Palestra no Forocap

A palestra "Jornalismo não é inimigo" no Forocap (Foto tirada de redes sociais)

As postagens do Forocap no Twitter estão repletas de comentários atacando os jornalistas participantes. Relatos anônimos ou com poucos seguidores os acusam de receber dinheiro ilícito, de não serem bons jornalistas, de serem tendenciosos e também os bombardeiam com insultos e desqualificações.

Portanto, não é de se estranhar que várias das conversas durante o fórum tragam o cerco do jornalismo. Na discussão intitulada 'Jornalismo não é o inimigo', realizada em 8 de novembro em Tegucigalpa, os jornalistas Marvin del Cid da Guatemala, Jon Lee Anderson dos Estados Unidos, Joseph Poliszuk da Venezuela e Jennifer Ávila de Honduras contaram suas histórias de opressão e eles refletiu sobre como o jornalismo pode se tornar uma forma de consolidar democracias mais saudáveis ​​na região.

De sua parte, na Guatemala, durante a palestra 'Por que as vozes silenciadas precisam continuar falando?', a jornalista María Hinojosa, fundadora do Futuro Media Group, dos Estados Unidos, disse que os jornalistas têm a capacidade de mudar a conversa quando um governo tenta ditar a agenda e que a mídia centro-americana a inspira a seguir o exemplo.

“A vida de um jornalista não é nada fácil. Se você está trabalhando como freelance, terá seus problemas; se estiver em um ambiente regular, também terá seus problemas. Este não é o momento de desligar e pensar que não podemos fazer isso. Podemos fazer tudo”, disse Hinojosa.

No discurso de encerramento da Forocap, foi feito um resumo das perseguições recebidas pela imprensa na América Central e explicada sua relação com a deterioração das democracias. A conversa foi conduzida pelo editor-chefe do El Faro, Óscar Martínez, e pelo diretor de Programas para as Américas do Comitê de Proteção aos Jornalistas (CPJ), Carlos Martínez de la Serna.

E embora a conversa, por um momento, tenha parecido desanimadora, ela teve seus raios de esperança. “Tive o privilégio de estar nos três países onde a Forocap foi realizada: Guatemala, Honduras e El Salvador. Há muitos colegas jornalistas angustiados, mas não encontrei ninguém que pense em deixar a profissão de jornalista”, encerrou o editor-chefe do El Faro.

Mais artigos