texas-moody

Jornalistas mexicanos reduzem cobertura de Rússia e Ucrânia; cidadãos têm visões divergentes sobre o conflito

Por Samantha Greyson (*)

As organizações de notícias mexicanas estão tentando encontrar um equilíbrio em sua cobertura de conflitos internacionais, como a invasão russa da Ucrânia, enquanto os cidadãos pressionam por uma cobertura contínua da violência que ocorre no país.

"É difícil para as organizações de notícias parecerem realmente interessadas no que está acontecendo na Ucrânia, mesmo que tenha todas essas implicações geopolíticas, que são importantes e as pessoas precisam saber, isso é inegável", disse à LatAm Journalism Review (LJR) Javier Garza, jornalista freelancer, apresentador de podcast e ex-diretor editorial de El Siglo de Torreón. “Mas, ao mesmo tempo, há muita violência no México, então você deve priorizar isso.”

Em 24 de fevereiro, tropas russas invadiram a Ucrânia em uma escalada do conflito entre os dois países. No mês passado, a invasão forçou mais de quatro milhões de ucranianos a fugir do país, enquanto muitos outros continuam deslocados internamente. O conflito recebeu cobertura constante da mídia de todo o mundo e muitos jornalistas ocidentais viajaram para a Ucrânia para reportagens em primeira mão.

No entanto, como disse Garza, é, em grande parte, a mídia dos países de primeiro mundo que é capaz de enviar correspondentes estrangeiros para a Ucrânia, enquanto os jornalistas no México tiveram que contar fortemente com os serviços de agências, como a AP News, para cobrir o conflito.

“Em geral, a mídia tradicional mexicana está cobrindo o conflito entre a Ucrânia e a Rússia por meio de agências ocidentais”, disse à LJR Dr. Manuel Alejandro Guerrero, diretor do departamento de comunicação da Universidad Iberoamericana. “Dessa forma, a abordagem geral da maior parte da grande mídia é de condenação à invasão russa. Um bom exemplo é o site do El Universal […], que tem um microsite especial para cobrir o conflito”.

Guerrero disse que os cidadãos mexicanos têm opiniões divergentes sobre a invasão. Ele disse que alguns cidadãos apoiam a Ucrânia, enquanto outros concordam com a decisão de Putin de invadir. Apesar da opinião pública sobre a invasão em si, Garza disse que a cobertura da Ucrânia pela mídia mexicana recebeu alguma reação.

"Há um pouco de desacordo por parte do público mexicano quando eles dizem à mídia mexicana 'por que eles dão tanta cobertura a 20 mortes em um ataque em Kiev, quando 20 pessoas morreram apenas em um tiroteio ontem em Michoacán?", disse Garza à LJR.

O jornalista contou que, quando era editor de um jornal local mexicano, teve reações negativas do público quando decidiu cobrir conflitos no exterior. Ele disse que devido à violência no México, os cidadãos sentiram que a mídia deveria se concentrar mais nas tragédias domésticas.

Garza apresenta o “Expansión Daily”, um podcast diário sobre notícias nacionais no México. Ele disse que sua equipe fala sobre a Ucrânia todos os dias no podcast desde que a guerra começou, no final de fevereiro, mas na semana passada pela primeira vez eles não tocaram no assunto.

“A Ucrânia está muito longe”, disse Garza. “Então reconhecemos a importância da história: um país europeu sendo invadido pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial, isso é um grande negócio. Então, teve uma boa cobertura nas primeiras semanas e depois diminuiu um pouco.”

Garza disse que uma das histórias do conflito russo-ucraniano que recebeu mais cobertura no México foi a evacuação de mexicanos que vivem na Ucrânia.

"Essa foi a maneira de trazer a história para casa, de falar sobre os mexicanos que ficaram presos na Ucrânia", disse Garza. “Uma vez que eles estavam fora… agora esse componente emocional está faltando porque a maioria dos mexicanos que vivem na Ucrânia deixaram o país.”

Garza disse que os jornalistas mexicanos cobriram a guerra na Ucrânia de dois ângulos. A primeira são as consequências econômicas da guerra para o povo mexicano, incluindo o aumento dos preços da gasolina e dos alimentos.

“Nos editoriais, a maioria das análises se concentra nas consequências que tal conflito está tendo no México e na América Latina, principalmente em termos de economia, comércio e, especificamente, preços de petróleo e energia”, disse Guerrero.

O outro ângulo que os jornalistas estão adotando, disse Garza, é que o presidente Andrés Manuel López Obrador ainda não condenou a Rússia por invadir a Ucrânia.

“Existe esse flerte com Putin e com o governo russo”, disse Garza. "Muitas pessoas estão realmente surpresas com isso, já que nosso presidente vem de um partido de centro-esquerda."

Além de sua recusa em condenar Putin, membros do partido do presidente convidaram o embaixador russo a estabelecer um "grupo de amizade mexicano-russo". Garza disse que histórias sobre esse tema ganham mais atenção no México porque transferem o conflito entre Rússia e Ucrânia para o cenário mexicano.

“Quando você cobre assuntos internacionais, sempre precisa encontrar o gancho que aproxima a história do seu público”, disse Garza.

Embora a mídia mexicana não envie muitos repórteres à Ucrânia para cobrir o conflito, Garza disse que, em geral, a prática de reportar no exterior diminuiu com o tempo, não apenas no México, mas em todo o mundo.

“Nos últimos, provavelmente, 20 anos, houve um declínio na figura do correspondente estrangeiro, que costumava ser muito importante para as organizações de notícias porque era o que lhes dava muito prestígio”, disse Garza. "Mas as realidades econômicas realmente impediram que as organizações de notícias lançassem iniciativas de reportagem em grande escala."

Para algumas situações internacionais, incluindo a invasão russa da Ucrânia, Garza disse que os meios de comunicação dos EUA e da Europa vão empregar seus recursos no exterior. Mas a mídia mexicana, disse ele, não tem capacidade de enviar tantos recursos jornalísticos para o exterior, especialmente quando o conflito não é perto de casa, porque as repercussões financeiras da cobertura estrangeira em uma área devastada pela guerra são consideráveis.

Em vez disso, Garza disse que veículos como Televisa e Excelsior enviaram correspondentes estrangeiros ao oeste da Ucrânia para trabalhar em histórias de refugiados. Esses repórteres não tinham segurança adequada para entrar em Kiev, afirmou Garza.

“Se você quiser entrar em Kiev, ou se quiser entrar em Mariupol, precisará de muito equipamento”, disse Garza. "Você vai precisar de um fixer, de um carro, e provavelmente um carro blindado... Isso custa muito dinheiro e as organizações de notícias mexicanas não têm os recursos."

Para os cidadãos mexicanos, a abundância de cobertura da mídia local de tragédias no exterior pode causar frustração, disse Garza.

“As organizações de notícias precisam ter muito cuidado para encontrar um equilíbrio. Se você vir a notícia de 10 pessoas morrendo na Ucrânia, por pior que pareça, há uma reclamação legítima do público mexicano para dizer: 'Estamos muito pior aqui'."

Guerrero disse que os cidadãos mexicanos estão usando o Twitter para expressar suas opiniões sobre a invasão, alguns deles mostrando apoio à Ucrânia, enquanto outros "veem a invasão russa como uma resposta compreensível à política da Otan após a dissolução da União Soviética".

Guerrero disse que os mexicanos que apoiam a Rússia tendem a cair em uma das três mentalidades: eles acreditam no forte poder do governo para combater o capitalismo desenfreado, veem os movimentos progressistas como desfavoráveis ​​e "importados do Ocidente" ou aderem a um tipo de populismo.

“A preferência pela 'sabedoria popular' sobre expertise e conhecimento técnico... é comum na mente populista: não confiar em especialistas porque eles estão desconectados do que 'o povo' realmente quer e de seus verdadeiros interesses”, disse Guerrero.

Quando Alfonso Durazo, governador de Sonora, tuitou sobre um cidadão de Sonora que estava na Ucrânia no momento da invasão, ele recebeu comentários desfavoráveis ​​online.

Em 5 de março, Durazo publicou: “Compartilho com vocês que estamos em contato permanente com o sonorense Luis Hull Hernández e seus parentes. Luis estava na Ucrânia e esta manhã conseguiu chegar à Romênia. A embaixada mexicana naquele país está monitorando e apoiando este jovem de Navojoa [estado de Sonora].”

Em resposta ao post de Durazo, um usuário do Twitter respondeu: "Deixe-o lá, é mais seguro na Ucrânia do que em Sonora".

“Há muita inconformidade sobre 'por que você está cobrindo a violência a 8 mil quilômetros de distância quando há muita violência no México'”, disse Garza. "Assim, as organizações de notícias também precisam ter muito cuidado para encontrar um equilíbrio."

Esta história foi desenvolvida como parte da aula "Jornalismo e Liberdade de Imprensa na América Latina", na Escola de Jornalismo e Meios na Universidade do Texas em Austin .

Samantha Greyson é uma estudante de terceiro ano na Universidade do Texas em Austin. Ela estuda inglês e jornalismo e trabalha como editora associada de notícias no The Daily Texan. Tem feito reportagens sobre vários temas de interesse para a comunidade do campus.

More Articles