texas-moody

'Os acionistas não são donos das informações', diz Daniel Coronell, presidente da ressuscitada revista colombiana Cambio

A notícia virou tendência imediata nas redes sociais colombianas: a revista Cambio voltaria a fazer parte do ecossistema midiático do país, não mais como meio impresso, mas digital.

A expectativa fazia sentido. A Cambio foi durante anos um dos meios de comunicação mais importantes do país, em algum momento foi propriedade do Prêmio Nobel de Literatura Gabriel García Márquez e havia sido fundada por um dos pais do jornalismo investigativo colombiano, Daniel Samper Pizano.

Cambio logo

Retorno da revista Cambio, agora apenas em formato digital, movimenta mídia colombiana. (Twitter)

Em 2011, foi abruptamente fechada em meio a um escândalo que envolveu uma investigação jornalística sobre a entrega de subsídios agrícolas a grandes empresários que teria incomodado o governo do então presidente Álvaro Uribe Vélez.

Seu fechamento gerou um debate sobre a liberdade de imprensa na Colômbia e o grau de influência dos poderes nas decisões editoriais dos meios de comunicação. Portanto, seu retorno, especialmente em meio ao que parece ser uma lacuna de informação deixada pela mudança de proprietários da revista Semana - o principal veículo crítico do país - foi uma novidade.

“As expectativas são geradas basicamente porque a Colômbia sempre teve pelo menos um meio de referência significativo que é um pouco crítico. E neste momento o que temos são meios de comunicação muito alinhados ao governo, como a RCN Rádio e Televisão ou a Semana; meios de comunicação não muito próximos, mas ainda assim alinhados ao [presidente Iván] Duque, ou governistas como El Tiempo ou Caracol Radio; alguns críticos gostam do El Espectador, mas não o suficiente, então a chegada de um novo meio é celebrada", disse Ómar Rincón, um analista e crítico de mídia colombiano, à LatAm Journalism Review (LJR). “É uma celebração de otimismo, e mais porque sempre houve um meio crítico que foi a Semana, em seus bons tempos, e agora Duquista-Uribista se tornou, então acho que surge como uma luz de oportunidade”.

Precisamente o fato de a revista Semana ter permanecido a única do gênero no país é para María Paula Martínez, analista e crítico de mídia e professor universitário, o que dá mais importância ao ressurgimento de Cambio.

“Para um cenário midiático tão escasso como o colombiano é muito importante que surjam novas iniciativas que acabem com esses monopólios exclusivos”, disse LJR Martínez, que também é um dos diretores do Presunto Podcast - dedicado à análise do trabalho jornalístico em o país. “A mudança é proposta como uma nova alternativa para a análise política semanal que chega em um momento muito importante: apenas para o período eleitoral legislativo e presidencial”.

Outro aspecto que gera expectativa, segundo Rincón, tem a ver com o fato de o presidente da Cambio (o editor ) ser Daniel Coronell, “que é o jornalista mais crítico da Colômbia. O jornalista que denunciou as piores barbáries do Uribismo e de Duque, porque gera uma perspectiva que é bastante interessante", disse Rincón.

Coronell é talvez o jornalista mais reconhecido do país. Até poucos meses atrás foi presidente do Noticias Univisión, fundou e dirigiu diversos meios de comunicação na Colômbia e em 2020 foi  eleito o colunista mais lido do país, além de ter recebido diversos prêmios e reconhecimentos. Logo após sua também polêmica saída da Semana, fundou, junto com outro colunista que saiu da Semana, Daniel Samper Ospina, e com o jornalista investigativo Daniel Samper Pizano, o portal  Los Danieles. O espaço para diversos colunistas de "sem-teto" se tornou bastante popular no país.

Daniel Coronell jornalista da Colômbia

O jornalista Daniel Coronell será o presidente da revista Cambio nesta nova etapa.

Há pouco mais de um ano, quando os agora donos da Cambio - que compraram os direitos de uso desse nome - lhe contaram sobre o projeto e a intenção de reviver a revista, Coronell viu que era importante oferecer um novo meio ao público colombiano.

“Há algum tempo, a meu ver, se sente um vazio no que se refere a reportagem, análise e opinião. Isso não significa que outras mídias não estejam fazendo isso, elas estão. Existem esforços muito notáveis nesse sentido, mas não há nenhum que os agrupe e o faça de forma consistente. Portanto, pensamos que existe uma certa possibilidade jornalística e que podemos começar a trabalhar nisso”, disse Coronell à LJR .

O jornalista também destaca do momento atual todas as possibilidades que a tecnologia oferece.

“É um grande desafio colocar todas essas novas ferramentas a serviço de um propósito informativo, analítico e de opinião que está um pouco, digamos, órfão na Colômbia”, disse Coronell.

E é por isso que sua equipe, ainda mantida em segredo, será composta por "destacados veteranos do ramo com jovens recém-formados". Para Coronell, sua experiência mais recente na Univision permitiu que ele visse os benefícios de unir esses dois mundos.

“Estamos vivendo um momento muito especial para a mídia onde muitos veteranos primeiro têm uma certa dose de desprezo e muito medo diante do que o mundo digital faz. Eles tendem a banalizar e pensar 'por que se eu escrevi artigos especiais, agora tenho que ir ao Instagram para contar minha história?' E por outro lado, há toda uma geração jovem que tende a pensar que o mundo foi inventado na semana passada, que isso não foi possível antes que se pudesse falar sobre isso no Twitch ou no TikTok. E verifica-se que os dois têm um papel fundamental. E aprender uns com os outros e alcançar uma combinação dessas visões é o que pode nos ajudar a fazer o jornalismo avançar ”, disse Coronell. “Acredito que a capacidade investigativa e a força narrativa dos jornalistas veteranos estão em pleno vigor. Mas você tem que se adaptar.

Mídia e poder econômico na Colômbia

O anúncio da chegada de Cambio também gerou discussões sobre mídia, proprietários e liberdade de imprensa. Para Martínez, por exemplo, a chegada de Cambio é relevante pela “crise de legitimidade sofrida por diversos meios de comunicação tradicionais”.

Rincón, por sua vez, considera que um dos problemas da Colômbia é a concentração da mídia.

“A Colômbia está mal classificada nos índices de liberdade de expressão por muitas coisas: violência, autocensura, perseguição judicial, assédio governamental e policial. Mas uma das coisas que marca a Colômbia como o pior cenário é a concentração da mídia. Ou seja, existem poucos meios de comunicação e poucas possibilidades informativas”, disse Rincón. “A chegada de Cambio nesse sentido é saudável. Qualquer meio que consiga reforçar o ecossistema midiático é ótimo porque terá uma perspectiva diferente e pode ajudar a ter outros tipos de perspectivas para poder habitá-lo". 

A mídia na Colômbia, segundo Rincón, casou os diferentes poderes: econômico, político e até aristocrático da sociedade. “Seu único lugar de atuação são os escândalos políticos. Eles estão longe das agendas dos cidadãos”, disse ele.

Situação que também os donos do Cambio conhecem, disse Federico Gómez Lara à LJR , que será o diretor editorial do Cambio e filho de uma das donas, Patricia Lara. Para Gómez, a grande expectativa gerada com a chegada de Cambio tem a ver justamente com a possibilidade de ser uma nova opção.

“Na Colômbia caímos nessa espiral, que não é exclusiva de nós, mas nos atingiu de uma maneira muito particular, porque os grandes ricos ficaram como donos da informação”, disse Gómez. “Em outras partes do mundo isso acontece, mas eles estão tão focados em seus negócios, em chegar a Marte, chegar à Lua e assim por diante, que a questão da mídia fica um pouco de lado. Aqui temos alguns banqueiros atuando como diretores de mídia e isso se tornou muito sério, porque o que as pessoas veem na mídia são os interesses do grande capital, tanto político quanto econômico. Portanto, isso teve alguns efeitos muito graves na estabilidade democrática do país”.

Martínez também destaca o impacto que os proprietários dos meios de comunicação na Colômbia estão tendo na visão do país e do mundo que apresentam, bem como a influência que exercem por meio deles.

“O que aconteceu com a Semana mostrou mais uma vez que a propriedade dos meios de comunicação influencia as agendas editoriais. É ingênuo pensar que grupos econômicos fortes e poderosos compram um meio para lucrar se não existe: o negócio da mídia, de mal a pior, publicidade em queda, assinantes também”, garantiu Martínez. "Eles fazem isso porque uma plataforma para impactar o debate público tem alto valor."

Quando questionado sobre como garantir precisamente essa independência com os sócios capitalistas de Cambio, Gómez afirma que a mera presença de Coronell é uma grande garantia.

“Porque Daniel é um homem que já demonstrou em diversas ocasiões que sua ética jornalística está acima das condições hierárquicas de espaço e tempo de qualquer patrão. Isso já provou várias vezes no terreno e penso que é uma grande garantia ”, afirmou, recordando as causas do despedimento de Coronell de Semana.

Federico Gómez Lara

Federico Gómez Lara será o diretor editorial da revista Cambio. (Foto: Twitter)

Acrescentou que também se deve ao facto de quem investiu no câmbio não serem banqueiros, mas sim “conseguiram acumular capital” e que agora investem neste meio, mas que, segundo Gómez, sempre o foram preocupados com as questões nacionais. Na verdade, Patricia Lara já era dona do Cambio quando era uma revista impressa.

Os outros dois proprietários do novo Cambio são Gabriel Silva, empresário de destaque no país que foi ministro da Defesa e embaixador da Colômbia em Washington DC, e Maurice Armitage, que também é empresário e foi prefeito da cidade de Cali.

Gomez disse que desde as primeiras reuniões a questão da separação jornalística e empresarial ficou clara.

"Claro, falamos sobre isso desde o primeiro dia, mas temos que falar sobre isso todos os dias porque é uma linha vermelha que tende a ser esquecida e que de vez em quando você tem que cometer o desgosto de lembrá-la, obviamente com tudo cortesia. Mas isso faz parte das obrigações do amparo ético de um projeto jornalístico hoje ”, acrescentou Coronell.

“Porque a mídia no mundo, como um todo, sofre grandes desafios em relação aos seus modelos financeiros e de negócios. A subsistência dos meios não parece fácil. E, nessa medida, surgiram muitas almas caridosas que estão dispostas a nos ajudar”, continuou Coronell. “Mas essa ajuda não pode ser à custa da informação das pessoas, porque como tive oportunidade de dizer na penúltima coluna que escrevi para a Semana e digamos que causou a minha demissão: os sócios são donos do belo edifício, dos equipamentos, as maravilhosas instalações de que dispõem, mas não a informação. A informação é um bem público e é feita para servir as pessoas, para tomar melhores decisões, não para servir para reforçar os interesses políticos e econômicos de um acionista”.

Uma visão com a qual Rincón concorda. Para ele, a única forma de a mídia reconquistar a confiança do público é tão simples quanto "fazer jornalismo". Isso exige, como disse, deixar de ser governantes, aprimorar sua forma de narrar e contar histórias, mas, acima de tudo, mudar as agendas da mídia por aquelas que realmente interessam ao cidadão.

“Na Colômbia acaba de acontecer um surto social e ali se afirma que meio ambiente, educação pública, saúde pública, feminismos, diversidades sexuais, culturas ancestrais são temas que movem a sociedade e que esses temas podem ser usados ​​para falar de política, economia, justiça e tudo. Que são uma nova agenda política e jornalística que deve ser tratada. E acho que, no caso colombiano, a mídia pensa que são questões de um dia”, disse Rincón.

A revista Cambio estará no ar em janeiro de 2022, mas seus diretores já sentiram o peso de sua chegada e de levar o nome.

“Agora temos uma grande responsabilidade em atender a essa expectativa. Porque o surgimento do Cambio ocorre em um contexto quase irrepetível e para onde convergem várias coisas, sendo uma delas, como Daniel [Coronell] a chamou, uma falência ética na grande mídia ”, disse Gómez. “Acho que os magnatas saíram do controle e acho que as pessoas já perceberam e estão cansadas e veem em nós uma esperança de retomar aquela vida de jornalismo sem agenda, um jornalismo bem feito. Acredito que hoje temos uma grande responsabilidade sobre nossos ombros para estar à altura da tarefa”.

Para Coronell, a resposta que espera do público assim que estiver no ar é simples: "Isso é Cambio."

 

Mais artigos