texas-moody

Laboratório de jornalismo colombiano cobre mulheres e comunidades LGBTQ+ tradicionalmente excluídas da mídia

Quando Catalina Ruiz Navarro começou sua coluna 14 anos atrás em um dos jornais mais tradicionais da Colômbia, El Espectador, ela percebeu uma disparidade entre ela e todos os outros colunistas do jornal.

Embora a maioria de seus colegas fossem colombianos brancos, mais velhos, muitas vezes com doutorado superior, ela era a única colunista mulher, uma montanha difícil de escalar para uma jovem escritora de 24 anos.

Essa foi a primeira vez que ela começou a reconhecer verdadeiramente a falta de vozes femininas na mídia em seu país e, mais importante, a falta de cobertura de questões que afetam as mulheres.

Catalina Ruiz Navarro

Catalina Ruiz Navarro (Twitter)

“Uma das perguntas que me fiz naquele momento foi: o que posso dizer melhor do que todos esses homens de 50 anos escrevendo colunas para o El Espectador?”, disse Ruiz Navarro à LatAm Journalism Review (LJR). 

Sua resposta foi escrever sobre questões femininas. Especificamente, o aborto, que sempre foi uma espécie de tabu no país católico conservador.

Agora, mais de uma década depois, muitos dos mesmos dilemas continuam a existir na Colômbia e em grande parte da região. Mas Ruiz Navarro faz parte de uma iniciativa que visa mudar essa narrativa.

O projeto, Laboratório de Histórias Poderosas, nasceu no início de 2021 como um meio de expandir as narrativas da mídia tradicional para incluir mulheres e pessoas LGBTQ+ na cobertura.

O laboratório foi criado pela Chicas Poderosas, um coletivo de jornalismo feminista na América Latina, e financiado pela Open Society Foundation, uma organização filantrópica global.

Reúne um grupo de jornalistas, cada um com uma visão de cobertura de grupos cujas vozes foram historicamente excluídas da cobertura, e fornece a eles recursos e treinamento para relatar essas histórias.

“Sabemos que muitos desses tópicos, que talvez não sejam os mais atraentes ou mais difíceis de contar, não se tornam visíveis na mídia”, disse Belén Arce Terceros, diretora editorial e de comunicação das Chicas Poderosas, à LJR. “Por exemplo, no caso da Colômbia, o que está acontecendo na periferia e nas áreas rurais.”

Arce Terceros, uma jornalista argentina, disse que teve uma experiência semelhante a Ruiz Navarro quando trabalhava em seu antigo jornal em Buenos Aires.

“Não era uma prioridade da organização de notícias”, disse Arce Terceros. “Sair para pesquisar e contar essas histórias não foi priorizado porque havia tópicos mais quentes que geravam mais tração.”

Gráfico de histórias poderosas

O laboratório colombiano publicou cinco projetos diferentes de 20 jornalistas colombianas e venezuelanas. As histórias foram publicadas em vários veículos da Colômbia e da América Latina, incluindo Volcánicas, Manifiesta, Cerosetenta e Cosecha Roja.

Uma peça digital publicada em texto, foto e desenhos conta a história de Daniel, um homem trans a quem foi negado o direito ao aborto por causa de uma gravidez causada por violência sexual na região dilacerada pelo conflito do norte de Santander. A peça explorou os desafios que as comunidades trans e não binárias enfrentam para obter o procedimento.

Outro, um podcast, investiga a violência de gênero e o abuso sexual de mulheres e meninas migrantes venezuelanos ao longo da fronteira entre a Colômbia e a Venezuela. As mulheres são parte de um êxodo de cinco milhões de pessoas de seu país atingido pela crise e muitas vezes são as mais vulneráveis ​​a esse tipo de abuso.

Outra, contada digitalmente por meio de uma foto online e livro gráfico, texto e áudio, mostra as histórias de parteiras afro-colombianas  da remota região de Nuquí, Chocó, cujo trabalho é fundamental devido à falta de infraestrutura médica na zona.

Antes de relatar as histórias, os jornalistas receberam treinamento, não apenas na verificação de fatos, mas também em como cobrir temas delicados e trabalhar com fontes vulneráveis.

“Há muitos workshops gerais sobre visualização de dados, mas não muitos que ensinam o que fazemos quando nos aproximamos de uma fonte, quando falamos com uma pessoa que passou por situações violentas e agora está nos contando sua história”, disse Arce Terceros . “Queremos que elas se sintam seguras, ouvidas e respeitadas.”

As histórias também foram relatadas usando técnicas jornalísticas não tradicionais, com foco no jornalismo de soluções, que não é apenas reportar sobre problemas sociais, mas as soluções para esses problemas.

As reportagens também acontecem frequentemente através do que Ruiz Navarro - a editora do laboratório colombiano - descreveu como uma perspectiva de “jornalista feminista”.

Uma história publicada por Cosecha Roja como parte da série. A manchete: "Sou parteira, salvo vidas."

Uma história publicada por Cosecha Roja como parte da série. A manchete: "Sou parteira, salvo vidas." (Captura de tela)

O Laboratório de Histórias Poderosas nasceu no início de 2021 como um meio de expandir as narrativas da mídia tradicional para incluir mulheres e pessoas LGBTQ + na cobertura.

O conceito, ela explicou, é relatar histórias sobre mulheres e comunidades LGBTQ+ através de um olhar feminista desde o início e com foco não apenas na cobertura dessas comunidades, mas em usar a reportagem para promover os direitos das pessoas eles estão relatando.

“Acho que jornalismo que não é feminista é jornalismo medíocre”, disse Ruiz Navarro. “Porque se você está fazendo jornalismo no qual não está levando em consideração 52 por cento da população - a maioria da população, bem, o que você está fazendo?”

Essa perspectiva se tornou ainda mais crucial durante a pandemia. Antes do COVID-19, coisas como violência baseada em gênero, disparidades salariais de gênero e falta de acesso a serviços médicos para mulheres e populações LGBTQ+ já eram problemas enormes na América Latina.

Durante os primeiros bloqueios de pandemia, as  taxas de violência dispararampermaneceram altas, e as disparidades salariais endêmicas só aumentaram, ameaçando afetar as mulheres a longo prazo.

Enquanto o projeto começou na Colômbia, a Chicas Poderosas o está expandindo em toda a região.

Já, Arce Terceros disse que o laboratório está trabalhando em projetos semelhantes no Equador, investigando feminicídios - assassinatos  demulheres por causa de seu gênero - e violência contra comunidades LGBTQ+. Em breve, eles planejam expandir para o Brasil para relatar sobre a saúde da mulher e para o México para relatar sobre violência machista e respostas da sociedade civil.

Arce Terceros disse que sente que tem havido “mais espaço” para esse tipo de jornalismo florescer e que ela espera que, dando às mulheres ferramentas para relatar as histórias, elas lentamente comecem a se tornar populares.

“As histórias que podemos contar, as realidades que podemos tornar visíveis ... o que vai fazer é colocar esses temas na agenda, e não apenas gerar conversas em nível nacional, mas em nível regional.”

 

Este artigo foi originalmente escrito em inglês e traduzido para o português por Júlio Lubianco.

Mais artigos