texas-moody

Mais de um ano após a pandemia, jornais pequenos da América Latina ainda estão se recuperando

César López Linares colaborou neste artigo.

“Em menos de 72 horas, perdemos quase 80% de nossos anunciantes. A maioria deles dependia fortemente do turismo e, com as fronteiras fechadas e uma pandemia que mal estava começando, todos nós lutamos para sobreviver”, disse Gabriela Brenes, diretora executiva do jornal costarriquenho La Voz de Guanacaste, à LatAm Journalism Review (LJR).

O jornal, que publica em  inglêsespanhol, cancelou sua edição impressa e passou a ficar apenas online. Também fechou suas redações físicas.

“Isso abriu novas oportunidades para uma transformação digital radical, um processo pelo qual ainda estamos passando”, disse Brenes, que se juntou à equipe de seis pessoas da publicação logo no início da pandemia.

Como La Voz de Guanacaste, jornais impressos menores em toda a América Latina tiveram que se adaptar às mudanças provocadas pela pandemia, que acelerou as transições para o digital e forçou as publicações a encontrar novos fluxos de receita.

Muitos foram afetados pela perda de publicidade e regulamentações governamentais que impediram a circulação física do produto.

Por exemplo, a publicidade impressa em jornais na América Latina foi estimada em queda de 21% de 2019 a 2020, de acordo com o  PwC Global Entertainment and Media Outlook: 2021-2025.

PUBLICIDADE DE JORNAL EM LA

Fonte: Global Entertainment & Media Outlook 2021-2025 da PwC, Omdia, Associação Mundial de Jornais e Editores de Notícias, Observatório Europeu de Áudio Visual.

 

Os efeitos da pandemia foram que muitos jornais tiveram que cortar a circulação, ficar totalmente online, cortar funcionários e salários ou se livrar do espaço de redações.

No geral, a circulação da mídia impressa na América Latina deve sofrer uma queda de 16,3% em 2020, de acordo com a PwC, publicada pelo Statista.

LJR conversou com três jornais menores da região sobre o impacto do COVID-19 e como eles estão se recuperando, apesar do fato de que esta pandemia global não deu sinais de desaceleração.

Aumentar a publicidade digital por meio de novos produtos

Antes da pandemia, La Voz de Guanacaste publicava cerca de 48.000 cópias por ano de um jornal mensal bilíngue gratuito com custos de impressão e distribuição de quase USD 24.000 por ano. Quinze a 18 por cento de sua receita vinha de publicidade, derivada principalmente da impressão.

Edição especial impressa de La Voz de Guanacaste sobre violência de gênero

Edição especial impressa de La Voz de Guanacaste sobre violência de gênero. (Cortesia)

 

Em seguida, a pandemia atingiu a área, que dependia fortemente do turismo.

“Eles chamaram aquela temporada de estação zero, porque era zero turismo, zero trabalho, zero renda”, disse Brenes. “Para nós, era mais ou menos assim também.”

A equipe foi incumbida de descobrir como ganhar dinheiro com a edição digital. Então, ele começou a experimentar um programa de associação, graças a uma pequena doação do Centro Internacional para Jornalistas (ICFJ), e lançou um produto premium.

“Queríamos testar a hipótese: que tipo de produto de notícias teria as maiores taxas de conversão para um programa de associação sabendo que nosso negócio não está necessariamente em volume, porque somos uma pequena organização de notícias que atende comunidades menores, mas na qualidade de essas interações?” disse Brenes.

O nível de adesão mais popular até agora dá ao leitor acesso à newsletter Nosara, que tem uma alta taxa de conversão, de acordo com Brenes. La Voz de Guanacaste espera replicar esta experiência e modelo com Nosara para outras comunidades e newsletters.

A equipe passou também a fazer histórias patrocinadas e a oferecer publicidade digital em novos espaços, como podcasts ou realidade aumentada. Claro, tudo isso significava estabelecer códigos éticos para a publicidade.

Agora, Brenes disse que a publicação ainda depende em grande parte de doações e filantropia para obter receita, mas está vendo um lento aumento na publicidade digital.

Eles também estão entre os  21 projetos de mídia latino-americanos recentemente selecionados para participar do Desafio de Inovação da Google News Initiative (GNI). Eles ganharam com uma proposta para o projeto GuanaData, que combina jornalismo investigativo e baseado em dados para descobrir a corrupção no governo local e treinar cidadãos para acessar informações públicas, como explicou Brenes.

Brenes disse que a doação ajudará em uma série de atividades, incluindo o uso de aprendizado de máquina e inteligência de negócios para reduzir custos operacionais e agilizar a criação de novos produtos. Eles também contribuirão para o avanço da cultura do produto na América Latina.

“Estamos percebendo uma grande necessidade em termos de conversas sobre produtos e como navegar nessa transformação digital”, disse Brenes. “Realmente queremos convidar outras pessoas da comunidade e das redações latino-americanas para se juntar a nós nesta experiência da GNI para que possamos finalmente ter alguma base sobre o que ajuda e o que não ajuda para nossa região.”

Encontrar novos fluxos de receita e reforçar o digital

No início da pandemia, o jornal regional de Tarapoto, Voces, localizado na província de San Martín, Peru, teve que interromper a circulação de sua edição impressa devido à queda de anunciantes devido à paralisação da economia e à dificuldade para compra de insumos.

O Voces não queria perder os contratos de publicidade que ainda estavam em vigor, então teve que redirecionar sua estratégia publicitária para o digital.

O jornal continuou a diagramar a sua versão impressa, agora distribuída em formato PDF pela internet, além de utilizar as redes sociais do jornal para publicar publicidade e assim atender aos anunciantes.

“Continuei fazendo propagandas, esforços com o site, e já tinha clientes com quem conversei e comecei a impulsionar seus artigos, seus anúncios nas redes”, disse Rosali Quevedo, atual gerente da Voces, à  LJR . “Foi um gás naquilo que era mais fraco. Não prestávamos muita atenção e naquele momento se tornou uma ferramenta que tínhamos que usar.”

No entanto, o jornal também enfrentava outro contratempo.

O fundador do jornal e pai de Rosali Quevedo, o jornalista Julio Quevedo Chávez, morreu no início da pandemia, que obrigou sua filha a assumir as rédeas da publicação. O jornal teve que se reconstituir como uma nova empresa. Por ser uma organização criada recentemente, não era elegível para o programa Reactiva Peru, que concedia empréstimos sem juros a empresas.

A equipe do jornal Voces.

A equipe do jornal Voces. (Cortesia)

 

Para evitar que o jornal de 15 anos afundasse, a jovem Quevedo fez uma grande aposta: responder a uma proposta para que o Voces fosse o diário oficial de San Martín. Ou seja, tornar-se o meio de impressão em que as autoridades publicam avisos judiciais, portarias municipais, decretos municipais e acordos municipais, o que ocorre a cada ano por meio de processo licitatório.

Em abril de 2021, o Voces venceu a licitação. Esta nomeação permitiu ao meio de comunicação começar a recuperar das profundas dificuldades que experimentou em 2020.

“Se não tivéssemos isso, talvez continuássemos passando por um momento ruim, porque agora com isso estamos voltando ao nível, aos poucos para sair do endividamento”, disse Quevedo.

Para aspirar a ser o diário oficial de San Martín, o Voces teve que voltar à impressão. Os executivos sabiam que essa nomeação significava uma possibilidade considerável de receita, então resolveram apostar tudo, endividar-se e reeditar o jornal.

“Apostei porque sabia que essa [licitação] estava chegando e para preparar o caminho, não podíamos parar de circular. E eu tinha certeza de que isso poderia ser feito ”, disse Quevedo.

Para evitar a demissão de funcionários em 2020, Quevedo contou com sua profissão de designer gráfica para gerar uma renda extra, pessoal e diária. Atualmente, a redação é mantida com sete membros permanentes e seis repórteres distribuídos nos diferentes bairros de San Martín.

A circulação impressa diária é atualmente de 4.000 exemplares, 1.000 a menos que antes da pandemia, mas com uma presença mais forte na Internet.

O Voces continua a trabalhar no reforço da sua estratégia digital enquanto a sua nomeação como diário oficial se mantém em vigor para que, caso não o volte a ganhar em 2022, terá novas forças para o ajudar a seguir em frente.

“Nos empoderamos na divulgação nas redes sociais e agora somos o jornal digital da região de San Martín, somos conhecidos dessa forma e nos capacitamos dessa forma”, disse. “Tentamos enxergar essa questão [da estratégia digital] com mais força, repotenciando o site, divulgando mais”.

Uma oportunidade de orientação e assinatura

Para o jornal La Opinion, da cidade de Cúcuta, na Colômbia, a pandemia representou enormes dificuldades para muitos meios de comunicação no mundo. Mas, também significou a oportunidade de realizar os projetos e ajustes necessários para se fortalecer como meio de comunicação, o que vinham adiando há anos.

A crise do COVID-19 impulsionou o jornal a acelerar o fortalecimento de sua estratégia digital, expandir sua oferta publicitária e mudar a dinâmica de sua redação para um foco mais voltado para o conteúdo da Internet.

Entre abril e maio de 2020, o jornal com 63 anos de história teve que interromper a circulação de sua versão impressa devido à incerteza da pandemia, para proteger seus vendedores e transportadores e em parte também devido à queda de 39% na receita publicitária.

“Essa parte foi muito difícil, mas também foi um momento de reflexão e de perceber a importância de nosso papel para a região, para a cidade e até para nossos próprios trabalhadores”, disse à LJR María Catalina Colmenares, consultora de estratégia da La Opinión. “Com isso decidimos ir em frente e quando as coisas começaram a se acalmar, resolvemos voltar a imprimir, e sair com muitas medidas de segurança”.

Felizmente, o jornal foi selecionado para participar do  programa de apoio à mídia de notícias da América Latina afetado pelo COVID-19 do Facebook e do Centro Internacional de Jornalistas (ICFJ), que concedeu a 44 meios de comunicação selecionados valores entre USD 10.000 e USD 40.000, além de apresentar a um programa acelerador para ajudá-los a fortalecer seus modelos de negócios.

Graças a este programa, La Opinión não só conseguiu sobreviver à pandemia, mas também se fortaleceu digitalmente com a orientação de especialistas e adaptou sua dinâmica e prioridades com o objetivo de diversificar suas fontes de receita no futuro. Atualmente, conseguiu retornar à circulação de 10.000 exemplares diários, que tinha antes da pandemia.

“Aquele acelerador funcionou muito bem, nos deu muito gás e muitas informações que eram necessárias”, disse Colmenares. “Isso realmente salvou nossas vidas. Graças ao apoio econômico e à valorização do dólar na Colômbia, pudemos pagar uma parte do Piano, que é o software que nos permitiu lançar nossa estrutura de assinatura digital. ”

Entre as mudanças que La Opinión fez para reforçar sua presença digital está a incursão no jornalismo de dados, visualizações e novos formatos para suas histórias. Eles também treinaram seus jornalistas para pensar sobre seu conteúdo com uma abordagem muito mais digital desde o início. Da mesma forma, reorganizaram a configuração de sua redação, na qual a divisão entre as equipes impressa e web era muito marcada anteriormente.

“O que fazemos agora é uma operação muito mais circular: todos produzem para todos. Os jornalistas produzem a notícia e decidem por si próprios como querem vê-la impressa e como vão enriquecê-la para o digital, tudo na mesma área”, disse Colmenares.

Em maio deste ano, eles lançaram seu programa de assinatura, que consiste em um paywall parcialmente poroso que inclui até 15 artigos gratuitos. O jornal passou a oferecer uma seção de conteúdo premium, exclusiva para assinantes, além de palestras e eventos. A ideia é criar uma comunidade próxima de seus membros.

“Para nós é um investimento, apostar no futuro do negócio. Os números ainda estão em vermelho, mas se não fizermos isso, eles ficarão cada vez mais vermelhos”, disse Colmenares.“Se fizermos isso, temos a ilusão e a aspiração de que, eventualmente, isso nos ajudará a sair desse vermelho.”

Mais artigos