texas-moody

Mulheres continuam sub-representadas na mídia latino-americana, de acordo com relatório de monitoramento de mídia global

Sub-representadas e cercadas estereótipos e preconceitos. É assim que as mulheres aparecem nas notícias de pelo menos 15 países latino-americanos, de acordo com o relatório 2020 "Quem está nas notícias?" que faz parte do Global Media Monitoring Project (GMMP).

O projeto analisa as pessoas representadas nas reportagens a partir de uma perspectiva de gênero, bem como os jornalistas por trás das notícias.

Relatório GMMP 2020 para a América Latina.

Relatório GMMP 2020 para a América Latina.

O GMMP é a “mais longa e extensa investigação do mundo sobre gênero na mídia”, segundo o relatório que é feito a cada cinco anos. Para o relatório de 2020, 30.172 itens de notícias publicados em jornais, bem como veiculados em rádio, televisão, sites de notícias e tweets foram rastreados durante um único dia em 2.251 veículos de mídia em 116 países.

No caso da América Latina, participaram 16 países: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Paraguai, Peru, Uruguai e Venezuela. No entanto, a análise final não incluiu informações da Nicarágua.

A análise total da região foi de 7.270 notícias.

Segundo os dados, a participação das mulheres na mídia como assunto das notícias chega a, em média, 26% na região. O percentual em relação ao último relatório (de 2015) teve uma redução de 3 pontos percentuais. A televisão é onde estão mais representados (28%) e o rádio é onde estão menos representadas (22%).

"A ideia dos resultados é reforçar e ter evidência, porque [às vezes] ficamos com a sensação de que as mulheres não estão sendo representadas na mídia”, explicou Sandra López Astudillo, diretora da Fundação Gamma do Equador e coordenadora do GMPP Latin America Report para à LatAm Journalism Review (LJR) .

“Não apenas somos sub-representados, mas também somos representados de forma enviesada, nas áreas tradicionais atribuídas às mulheres: questões sociais, violência de gênero, etc.”, acrescentou López. “No que diz respeito às profissões, por exemplo, as mulheres aparecem como donas de casa, 100% de nós ainda somos mulheres, ou o cuidado [de outras pessoas] fica 100% a cargo das mulheres. Esses âmbitos são exemplos claros da presença de estereótipos de gênero nas noticias, informação que é possível obter graças a indicadores e variáveis que o GMMP usa”.

De acordo com o relatório, os temas em que mais mulheres aparecem nas notícias são sociais e jurídicos (chegando a 34%). Seguem-se ciências e saúde (30%). López destacou como é difícil encontrar mulheres em campos como vozes de especialistas. Para ela, o principal problema dessa situação é que traz “consequências na vida real” devido à manutenção de papéis e de uma cultura que acaba afetando a sociedade como um todo.

"As mulheres continuam a ter pouco acesso à formação em carreiras não tradicionais e quando concordamos [de repente] que nos vemos no comando da casa, continuamos a ganhar um salário mais baixo", disse López. “O que queremos mostrar é que não é uma situação inofensiva, mas que mantém um círculo, onde não se geram novas oportunidades, não há impulso de mudar a sociedade, para as pessoas que estão no contato diário com a mídia. [...] O grande apelo é mudar a imagem e responder como meio de comunicação, uma contribuição para mudar a realidade da vida das mulheres, da vida social em geral ”.

Precisamente, as questões de igualdade têm pouco interesse para a mídia, de acordo com o relatório. Na verdade, esses temas ocupam 7% do total da pauta noticiosa e, desse percentual, apenas 1% ocupa lugar ou espaço relevante na mídia.

Uma das constatações do relatório refere-se à maior presença das mulheres nas notícias de temas como violência doméstica e feminicídios. Em 2020, devido à pandemia de COVID-19, a situação piorou. O relatório, no entanto, aponta como aspecto positivo que a mídia incluiu a questão de gênero na cobertura desta notícia e não como parte da violência geral.

“Sim, há uma mudança, uma evolução da mídia. No acompanhamento inicial das notícias sobre violência, quase sempre as mulheres eram acusadas, embora ainda aconteça, é em menor número," disse López. “Tentamos incluir vozes de especialistas em gênero quando se trata de violência de gênero. Há um avanço nisso ”.

Da mesma forma, houve avanços na questão política no caso da América Latina. Embora globalmente a presença de mulheres nas notícias tenha diminuído, na política ela aumentou.

“É um elemento que nos anima, cada vez que eles estão sendo responsáveis ​​dentro da mídia não só quando são porta-vozes oficiais, mas também nas questões relacionadas com a política de um país”, disse López.

Por fim, também aumentou a participação das mulheres como assunto de notícias de temas como saúde e ciências. Algo que foi particularmente importante durante 2020 devido à pandemia.

Para o relatório deste ano, além de acrescentar a pergunta sobre se uma notícia estava ligada à pandemia, também foram incluídas três perguntas exclusivamente para a América Latina. Um deles tratava de analisar se a pessoa era descrita como parte de um povo original ou ancestral.

“A visão da população indígena, que é muito invisível, é interessante. A representação no GMMP é muito baixa em comparação com o resto da população”, disse López. “Acredito que se abre uma nova área de estudo da mídia, para olhar esses dados. A partir do movimento feminista conseguimos mudanças, mas não o suficiente. Fizemos grandes avanços em diferentes áreas, mas ainda falta muito a fazer."

Por outro lado, as mulheres jornalistas têm uma presença maior do que quando são assunto de notícias: a média na América Latina é de 35%. A televisão continua a ser onde as mulheres jornalistas têm maior presença (46,72%), seguida do rádio (37,44%).

Para López está claro que a sub-representação das mulheres na mídia não se deve a uma decisão intencional, mas por isso mesmo ele pede que esses resultados sirvam para mudar uma política interna. Como ele disse, um primeiro esforço é olhar para o que as coisas estão servindo para fazer uma sociedade melhor e o que não é.

“Depois dessa garimpagem de sensibilidade, olhar o que está acontecendo na sociedade [deve ser] informado de forma consciente, buscar [uma perspectiva] desde os direitos humanos, com plataformas de formação, com códigos do ponto de vista técnico, falar sobre os direitos dos povos indígenas, à luz da análise do que pode nos fazer bem como sociedade", disse López.

O GMMP foi projetado para "capturar um instantâneo de gênero em um dia de notícias 'comum' na mídia mundial." Para a América Latina, optou-se por fazer essa revisão em 29 de setembro de 2020. A data, segundo López, não pretende coincidir com comemorações relacionadas aos direitos das mulheres ou questões particularmente importantes na política como a posse de um presidente que monopoliza a agenda informativa.

Os países com maior número de notícias analisadas foram México (com 17,7%) e Bolívia (9,38%). Enquanto o rádio foi o meio com mais notícias analisadas (34%), seguido pela televisão (22%). No entanto, para este ano, os meios digitais tiveram um aumento (12%) que se iguala à imprensa escrita (12%). Por fim, as contas de mídia no Twitter representaram 16%.

Os temas que mais ocupam a pauta de notícias na América Latina são “política e governo” seguidos de “economia”.

O relatório em espanhol para a América Latina pode ser lido aqui.

Mais artigos