texas-moody

Na Venezuela, veículos independentes mantêm o jornalismo investigativo vivo apesar das dificuldades

O jornalismo investigativo na Venezuela é realizado e publicado apenas na mídia digital independente. Todos os trabalhos investigativos vencedores da XII Edição do Concurso Nacional de Jornalismo do Instituto de Imprensa e Sociedade da Venezuela (IPYS Venezuela) foram realizados por jornalistas de plataformas digitais com autonomia. 

“O Prêmio IPYS Venezuela tem sido um claro indicador de como o jornalismo investigativo evoluiu no país. Nas primeiras edições havia duas constantes: todos os trabalhos eram feitos pelos jornalistas que pertenciam às unidades investigativas da mídia tradicional, e a maioria havia sido publicada na mídia impressa, quase não havia televisão, nem rádio, e, em uma ocasião, a menção ao jornalismo digital foi declarada nula”, disse Marianela Balbi, diretora do IPYS Venezuela, à LatAm Journalism Review (LJR).

O vencedor do Prêmio IPYS deste ano foi a reportagem “Corredor furtivo”, de María de los Ángeles Ramírez, Joseph Poliszuk e María Antonieta Segovia, publicado em Armando.info. A menção honrosa foi recebida pelas obras “'Pranes' nas Grandes Ligas” e “Venezuela é vendida como lixo”, ambas publicadas na Alianza Rebelde Investiga (rede formada por Tal Cual, El Pitazo e Runrunes), juntamente com a plataforma jornalística CONNECTAS

Todos esses são veículos digitais, fundados por jornalistas que vieram do trabalho na mídia tradicional e que enfrentaram censura e bloqueios por parte do governo venezuelano. 

Marianela Balbi, diretora do Ipys Venezuela photo

Marianela Balbi, diretora do IPYS Venezuela, garante que o Prêmio IPYS é um claro exemplo de como o jornalismo investigativo evoluiu naquele país.

“Desde 2013-2014, o protagonismo do jornalismo investigativo é exercido por jornalistas da mídia digital independente nascidos, muitos deles, por iniciativa própria, após serem demitidos ou se demitirem da mídia tradicional”, disse Balbi.

A migração total para a rede digital na Venezuela, tanto de jornalistas quanto de leitores, começou em 2013 graças a uma onda de compras dos principais meios de comunicação do país por grupos privados próximos ao regime chavista e à concentração da importação de papel de jornal em mãos do Estado.  

Uma jornalista que saltou do jornalismo impresso para o digital, como resultado das compras dos veículos, foi Ahiana Figueroa, líder de uma das equipes que ganhou menção no prêmio IPYS. Em 2016, Figueroa colaborou com o Consórcio de Jornalistas, divulgando os Panama Papers, enquanto ainda trabalhava para o El Mundo, jornal do Grupo Últimas Noticias. Os novos donos do grupo de mídia, com evidente viés governista, a demitiram sem justificativa. 

“No impresso nunca tive a oportunidade de trabalhar em investigação, apenas na reportagem do dia a dia. Mas essa experiência me ajuda no trabalho que faço agora. A transição do impresso para o digital foi difícil, mas me permitiu ser uma jornalista melhor. Fui obrigada a conhecer as novas plataformas tecnológicas que nos ajudam a apresentar melhores trabalhos ao leitor”, disse Figueroa à LJR . 

 

Mídia digital sem medo de colaboração

Outra variável que os trabalhos de pesquisa vencedores do IPYS deste ano têm em comum é que são reportagens baseadas na colaboração entre os meios de comunicação e com a participação de jornalistas de diferentes regiões do país. O velho costume do lobo solitário parece estar caindo no esquecimento na Venezuela e agora existem equipes jornalísticas multidisciplinares onde se juntam diferentes expertises: programadores, jornalistas de dados, visualizadores, designers e repórteres, dizem os entrevistados para esta reportagem. 

“O Prêmio IPYS é um reforço da importância do trabalho colaborativo. Na Venezuela, as colaborações entre os meios de comunicação têm feito parte da estratégia de sobrevivência. A colaboração entre os meios de comunicação é um grande desafio, ainda mais se as equipes são grandes e estamos em uma pandemia” , disse à LJR a jornalista regional María de los Ángeles Ramírez, que participou da investigação “Corredor furtivo” do Armando.info. 

“Eu nunca pude ver a colaboração com uma visão romântica porque tem muitos desafios, mas pode ser uma investigação muito poderosa e ter um grande impacto. A heterogeneidade dos grupos, o compromisso honesto, o respeito e a empatia são fundamentais”, acrescentou Ramírez. 

 

Banners promocionais investigações jornalísticas na Venezuela

As obras "'Pranes' nas Grandes Ligas" e "Venezuela é vendida como lixo", ambas publicadas pela Alianza Rebelde Investiga (rede formada por Tal Cual, El Pitazo e Runrunes), receberam apoio editorial e financeiro da plataforma jornalística Connectas.

 

Outro elemento-chave nos trabalhos vencedores é que eles tiveram o apoio, apoio e divulgação de organizações ou meios de comunicação internacionais. A reportagem “Corredor Furtivo” foi publicada simultaneamente com o jornal espanhol El País e contou com o apoio da Rede de Pesquisa de Florestas Tropicais do Centro Pulitzer e da organização norueguesa EarthRise Media . Por sua vez, as obras “'Pranes' nas Grandes Ligas” e “Venezuela se vende como lixo” tiveram o apoio editorial e financeiro da plataforma jornalística Connectas. 

“O jornalismo investigativo continua vivo na Venezuela porque tantos eventos irregulares aconteceram neste país nos últimos 20 anos que ainda temos material para investigar e denunciar. Existem também muitas organizações internacionais que colaboram financeira e editorialmente com jornalistas na Venezuela para realizar esses trabalhos investigativos. Isso dá a oportunidade de divulgar a situação do país ao mundo”, disse Figueroa. 

Balbi concorda com Figueroa que o apoio de organizações internacionais permitiu que o que está acontecendo no país fosse conhecido fora das fronteiras e ajudou a manter o jornalismo investigativo venezuelano à tona. “As iniciativas de projetos conjuntos binacionais, regionais e globais com foco na Venezuela contribuíram para revelar casos de corrupção e violações de direitos humanos, bem como as realidades sociais e humanitárias do país”, disse a diretoa do IPYS Venezuela. 

 

Limitações do jornalismo nas regiões

Exercer o jornalismo nas regiões, no interior da Venezuela, traz riscos e dificuldades que os repórteres localizados na capital do país não enfrentam. “Os jornalistas que estão na capital têm outros tipos de tarefas na hora de fazer uma reportagem investigativa colaborativa. Os repórteres do interior do país têm um trabalho mais importante. Eles têm informações em primeira mão e conhecem os antecedentes. O que costumamos fazer mais é buscar dados, documentos que sustentem as hipóteses, além de pesquisas bibliográficas e documentais”, explicou Figueroa.

Além disso, é nas regiões onde se agravam os maiores problemas do país: serviços públicos, colapso de hospitais, desnutrição, corrupção e insegurança. 

Na reportagem “Corredor Furtivo”, realizada no sul da Venezuela, eles registraram a presença de sete grupos armados ativos que são considerados as guerrilhas e mega gangues mais fortes da região. No entanto, também existem grupos menores que fazem parte da rede de atividades ilícitas na área e que operam com a cumplicidade do governo e dos militares. Esses tipos de situações criam um ambiente completamente hostil para os jornalistas.

“Existem graves limitações no caso venezuelano ao jornalismo nas regiões: hostilidade e ameaças diretas aos jornalistas; graves problemas de mobilidade porque nas regiões, principalmente nos estados fronteiriços, a gasolina costuma ser escassa; e falta de treinamento, o que significa que os jornalistas não necessariamente sabem como aprofundar uma história, como montar um plano de investigação, como se proteger contra ameaças”, disse Ramírez. 

Somam-se a essas dificuldades a censura, a perseguição e o assédio aos jornalistas, política do governo venezuelano há anos. Recentemente, em 17 de junho de 2022, a Comissão de Comunicação da Assembleia Nacional do governo venezuelano anunciou que atualmente está avaliando uma reforma da Lei do Exercício do Jornalismo. Especialistas denunciaram que a possível mudança não beneficiará os trabalhadores da imprensa. 

No IPYS Venezuela e na organização do prêmio, eles garantem que manterão seu trabalho porque estão convencidos de que a investigação e a qualidade jornalística são a melhor maneira de lutar contra a censura. 

“Fazemos um trabalho essencial para revelar situações de interesse público, as imensas deficiências de uma realidade que deixou para trás os valores democráticos, e que a partir do jornalismo e suas denúncias ininterruptas, comprovadas e verificadas com fatos e evidências, desmonta as versões oficiais em um contexto profundamente condicionado por restrições à liberdade de expressão, desinformação exercida pelo poder político, falta de informação pública e censura”, disse Balbi. "Continuamos apostando no jornalismo investigativo porque o povo e os venezuelanos têm o direito de saber o que está acontecendo na Venezuela."

More Articles