texas-moody

Trabalho da Agencia Ocote ganhador do Prêmio Gabo revisita tragédia com jornalismo, arte e memória na Guatemala

Em 7 de março de 2017, um motim eclodiu no centro de proteção Hogar Seguro Virgen de la Asunción para crianças e adolescentes abandonados e maltratados no município de San José Pinula, Guatemala. Durante anos, houve denúncias contra esta instituição por superlotação, má alimentação e violência sexual.

O motim durou até o dia seguinte, 8 de março, quando um grupo de menores tentou protestar contra os abusos a que estavam sendo submetidas. Em uma tentativa de controlar o protesto, os funcionários do Hogar Seguro as trancou.

Um grupo de mais de 50 meninas estava confinado a uma sala com capacidade para 26 pessoas, onde passariam a noite. Diante da superlotação e do desespero de não poder sequer sair para o banheiro, uma das meninas ateou fogo em um dos colchonetes de espuma que lhes haviam sido dados, a fim de chamar a atenção das autoridades do lado de fora.

Cover of the "No Fue el Fuego" transmedia report by Guatemalan media outlet Agencia Ocote

"No Fue el Fuego", publicado entre 2 de novembro e 10 de dezembro de 2021, foi reconhecido com o Prêmio Gabo 2022 na categoria Cobertura. (Foto: Captura de tela)

 

 

O fogo se espalhou rapidamente e iniciou um incêndio que durou várias horas. Os bombeiros tiveram dificuldade para entrar no local porque a maioria das entradas estavam trancadas. Um total de 41 meninas e adolescentes morreram queimadas, enquanto 15 sobreviveram com lesões graves.

Cinco anos após a tragédia, vários funcionários foram implicados, mas ninguém foi condenado e os processos judiciais não parecem estar avançando. Além disso, a questão foi desaparecendo gradualmente dos meios de comunicação.

Para o meio digital independente Agencia Ocote, a tragédia do Hogar Seguro é um caso paradigmático dos abusos e da violência sofridos pelas mulheres, especialmente meninas e adolescentes, na Guatemala. Por esta razão, o meio se propôs a tarefa de realizar uma cobertura que colocasse o caso novamente em evidência para revisitá-lo a partir de novas perspectivas.

O resultado foi “No fue el fuego” ("Não foi o fogo"), uma investigação jornalística colaborativa, multiplataforma e transmídia que busca servir como referência documental e arquivo da memória, e gerar conversas e ações de conscientização sobre a tragédia do Hogar Seguro. O trabalho, publicado entre 2 de novembro e 10 de dezembro de 2021, foi reconhecido com o Prêmio Gabo 2022 na categoria Cobertura.

O júri do prêmio destacou a forma "criativa e coerente" com que a equipe da Agencia Ocote utilizou "em todo seu potencial" uma grande variedade de formatos e linguagens narrativas. Isto, juntamente com uma excelente reportagem, permitiu ao trabalho dar vida ao caso Hogar Seguro e apresentar sua história definitiva.

Para seus autores, a principal inovação de "No fue el fuego" foi conseguir esta convergência de diferentes linguagens de forma harmoniosa e levar a investigação para outros espaços, além do digital.

"Não é que tenhamos inventado uma nova linguagem ou algo parecido, mas acho que conseguimos amalgamar estes diferentes formatos com um tom compartilhado, com uma essência compartilhada", disse Alejandra Gutiérrez Valdizán, diretora da Agencia Ocote, à LatAm Journalism Review (LJR). "É parte do DNA da Ocote, esta busca para contar a realidade a partir de perspectivas diversas. Na verdade, esse é o nosso slogan".

O especial consiste em relatórios detalhados, um álbum memorial com perfis das vítimas, uma linha do tempo com registros de jornais, uma reportagem gráfica, uma série de podcasts e um documentário em vídeo.

As reportagens cobrem diferentes aspectos da tragédia, desde o luto causado pela morte das 41 adolescentes até as diferentes irregularidades no processo judicial.

O documentário é intitulado "Niñas / Somos el fuego" (“Meninas / Somos o fogo”) e foi realizado pelas jornalistas e documentaristas Victoria Bouloubasis e Monica Wise Robles. Ao longo dos 34 minutos do filme, as sobreviventes da tragédia contam a história do que aconteceu no Hogar Seguro.

"No Fue el Fuego" comic by Guatemalan media outlet Agencia Ocote

O quadrinho “Salvar el fuego”, coordenado pelo cofundador da Agencia Ocote Julio Serrano, conta com versão tanto digital como impressa. (Foto: Captura de tela)

A reportagem gráfica, intitulada "Salvar el fuego" (“Salvar o fogo”), conta a história do incêndio por meio de quadrinhos em uma linha narrativa que navega entre a ficção e a não ficção. O material tem uma versão digital e impressa, esta última distribuída gratuitamente em eventos organizados pela Agencia Ocote, mas também está à venda em livrarias na Guatemala.

A diversidade de formatos e plataformas de "No fue el fuego" foi projetada para atingir todos os tipos de público. Enquanto a reportagem gráfica e os podcasts foram concebidos para o público jovem que mal conhece a tragédia, as reportagens detalhadas e a linha do tempo foram dirigidos a especialistas e acadêmicos das ciências sociais interessados em estudar o assunto, explicou Gutiérrez.

"Tudo girava em torno do mesmo tema, contado de maneiras diferentes", disse ela. “Cada um desses produtos ou formatos serviu a um propósito muito específico.”

Mas o trabalho também transcende o âmbito digital e até mesmo jornalístico. "No fue el fuego" inclui uma instalação de arte itinerante composta de 41 pipas, cada uma com uma chave pendurada com o nome das meninas que perderam a vida na tragédia. Também inclui peças de arte que abordam os eventos, com curadoria da artista e ativista Maya Juracán. A instalação foi exposta em lugares importantes do país, como a Casa de la Memoria Kaji Tulam, na Cidade da Guatemala.

Ao mesmo tempo, a Agencia Ocote criou uma oficina de bordado para meninas, na qual elas fazem bordados alusivos ao tema do trabalho jornalístico. Ambas as atividades, disse Gutiérrez, são exercícios de memória para gerar conversas sobre a tragédia, mas também como formas alternativas de distribuição do especial.

"Na exposição também projetamos o documentário e há fones de ouvido para ouvir os podcasts, e todos os códigos QR para linkar para a página [da investigação]", explicou Gutiérrez. "Tendo o trabalho jornalístico e as subjetividades delimitadas, acreditamos que também podemos gerar estes diálogos e alianças entre o jornalístico e o artístico, a fim de continuar a disseminar as informações e, de repente, alcançar o público de outras formas".

A produção de "No fue el fuego" foi possível graças ao financiamento do Programa ACTuando Juntas Jotay. Como resultado, a Agencia Ocote conseguiu reunir uma equipe de 17 profissionais, incluindo jornalistas, documentaristas, designers e artistas, a grande maioria dos quais são mulheres, alguns dos quais continuam a cobrir a questão.

Honrar a memória sem revitimizar

A parte mais difícil de fazer "No fue el fuego" foi, disse Gutiérrez, se aproximar das sobreviventes e das famílias das jovens que morreram. Não apenas por causa da enorme dor e do trauma do incêndio do Hogar Seguro, mas porque ao longo de cinco anos, elas enfrentaram um sistema de justiça ineficaz que lhes virou as costas.

Por esta razão, a missão da equipe da Agencia Ocote durante o tratamento das informações foi evitar a todo momento a revitimização das vítimas e das sobreviventes da tragédia. Pelo contrário, o especial pretende honrar a vida de cada uma das meninas falecidas. Por esta razão, foi decidido incluir a seção Memorial, com breves perfis das 41 vítimas em formato jornalístico narrativo, coordenada pela jornalista mexicana Daniela Rea Gómez, que tem experiência na cobertura de temas de violência.

Screenshot of the documentary film “Niñas / Somos el fuego”, which is part of the transmedia report "No Fue el Fuego", by Agencia Ocote.

No documentário “Niñas / Somos el fuego”, realizado por Victoria Bouloubasis e Mónica Wise Robles, sobreviventes da tragédia narram em suas vozes o que aconteceu em Hogar Seguro. (Foto: Captura de tela)

"Em todos os momentos partimos com a ideia de não revitimizar e, nesse sentido, dar-lhes sempre o seu lugar, para que não sejam apenas números. Pensamos que tínhamos que deixar um registro delas e não desde a perspectiva de vitimização", disse Gutiérrez. "Também tivemos o cuidado de expor o lado humano delas, não apenas o lado de vítimas.”

Embora até agora a investigação não tenha tido um impacto direto nas resoluções judiciais do caso, as famílias das vítimas e sobreviventes expressaram sua gratidão à Agencia Ocote por dar visibilidade ao caso, a fim de pressionar as autoridades.

"Elas [as famílias das vítimas] continuam vindo de lugares distantes, gastando muito dinheiro, com um desgaste emocional, para exigir justiça. A mãe de uma das meninas nos disse 'às vezes a mídia nem sequer está no julgamento'", disse Gutiérrez. "Ouvir as famílias das meninas que morreram ou as sobreviventes dizer 'obrigada por continuar contando esta história' é muito gratificante".

Reconstruindo a tragédia em pedaços

"No fue el fuego" também conseguiu fazer uma reconstrução quase forense do que aconteceu em 8 de março de 2017 no Hogar Seguro Virgen de la Asunción com peças que se encontravam dispersas.

O podcast foi o formato que a Agencia Ocote escolheu para apresentar esta reconstrução que acabou se tornando uma minissérie de quatro episódios de não-ficção, de 30 a 40 minutos cada.

"Havia registros do que havia acontecido, tais como comunicados de imprensa, vídeos, coisas que apareciam na televisão, mas não havia nenhum registro que reunisse tudo isso. Então foi daí que surgiu a ideia de fazer uma espécie de minissérie, uma crônica que nos dizia minuto a minuto como tinha sido", disse Melisa Rabanales, que trabalhou na Radio Ocote, a divisão de podcast do meio guatemalteco, à LJR.

Rabanales teve a sorte de encontrar áudios de algumas das meninas que morreram na tragédia, alguns dos quais foram presumivelmente suas últimas gravações de voz antes de morrerem. Isto, juntamente com entrevistas originais e material de outros meios de comunicação, formou um trabalho curatorial complexo que se tornou uma das seções mais consumidas do especial até agora.

A jornalista disse que era um enorme desafio ouvir horas de material bruto e explícito e montar uma história que mantivesse a maior sensibilidade e respeito possíveis tanto para as protagonistas quanto para o público.

"Tive que construir uma história a partir de pedaços", disse Rabanales. "Foi um processo de edição muito rigoroso de saber o que colocar e o que não colocar. Nós não queríamos revitimizar, mas também era importante nomeá-las [as vítimas]. Nos debatemos muito com alguns áudios em que se ouvem alguns gritos quando as meninas saem da sala de aula queimadas. Acho que esse foi um dos maiores desafios.”

Para Rabanales, a principal inovação deste podcast é ter conseguido criar uma crônica sonora com as próprias vozes das vítimas na forma de true crime, um gênero que não tem sido explorado no jornalismo guatemalteco e que está apenas começando a ser experimentado na América Latina.

Activities derived from the "No Fue el Fuego" transmedia report by Guatemalan media outlet Agencia Ocote

Entre as atividades derivadas de "No Fue el Fuego" estão uma instalação artística, a apresentação de podcasts ao vivo e uma oficina de bordado para meninas. (Foto: Twitter @AgenciaOcote)

"Este gênero permitiu que fosse digerível, apesar de ser um assunto tão difícil. Acho que há necessidade, pelo menos na América Latina, de muitos mais podcasts narrativos", disse ela. "O jornalismo não tem que brigar com a narrativa, não tem que ser chato. Penso que estamos um pouco à frente no campo audiovisual. Por exemplo, vemos os documentários de não-ficção que estão fazendo na Netflix, mas em áudio acho que estamos um pouco atrasados".

A minissérie "No fue el fuego" é a mais ouvida de podcast da história da Radio Ocote, com mais de um milhão de reproduções, de acordo com Rabanales. Além disso, o material foi apresentado em uma adaptação ao vivo em eventos como o Festival Podcastinación 2021 e na celebração do Dia Internacional da Mulher deste ano na Cidade da Guatemala.

Tanto Rabanales quanto Gutiérrez concordam que o especial "No fue el fuego" conseguiu revisitar uma história que foi contada muitas vezes de uma forma que gera empatia do público em relação à tragédia.

"Essa é uma das coisas que este projeto faz e por que ele tem tanto impacto", disse Rabanales. "A questão é uma ferida que ainda está aberta na Guatemala porque até o momento ainda não temos nenhuma condenação. E nós jornalistas também temos feridas que sabemos que de alguma forma devemos curar e penso que, tanto para o público quanto para os jornalistas, [este especial] era algo que era necessário".

More Articles