texas-moody

Enquanto meios independentes florescem em Cuba, jornalistas enfrentam cada vez mais repressão

"Relutantemente tolerados há alguns anos, os repórteres cubanos são agora regularmente detidos, podem ter seus telefones e laptops apreendidos, e sua internet cortada. O jornalismo independente em Cuba - geralmente apoiado por financiamento estrangeiro - floresceu desde 2018, ano em que o Estado furou seu monopólio da informação ao liberar a internet móvel relativamente sem censura.

[…]

Jovens jornalistas talentosos migraram para novos meios de comunicação privados, que assumem esmagadoramente uma linha antigovernamental, onde podem trabalhar com mais liberdade. Eles abriram o caminho: cobrem os efeitos do envenenamento por chumbo em crianças em Havana, monitoram independentemente os resultados das eleições e relatam o exílio de ativistas proeminentes - assuntos tabus para a mídia estatal.

[…]

Em dezembro [2022] entrou em vigor um novo código penal, segundo o qual os repórteres que recebem financiamento estrangeiro podem ser condenados a até 10 anos de prisão. A Anistia Internacional descreveu o Código como 'uma perspectiva arrepiante para jornalistas independentes'. A nova lei vem à medida que a repressão está aumentando: 670 cubanos continuam presos após os protestos em massa do ano passado, de acordo com o Justicia 11J, um grupo local de direitos humanos."

Leia o artigo original (em inglês)

Mais artigos