texas-moody

Laura Castellanos (México) e Daniel Matamala (Chile) estão entre os vencedores do Prêmio Maria Moors Cabot; menção honrosa a Javier Garza Ramos, do México

Em um momento de desafios crescentes para os jornalistas de todo o mundo, a coragem e a inovação desses jornalistas são um farol de luz. A jornalista independente mexicana e cofundadora do Reporteras en Guardia Laura Castellanos e o jornalista investigativo e escritor chileno Daniel Matamala estão entre os vencedores do Prêmio Maria Moors Cabot 2022, anunciado em 21 de julho pela Escola de Jornalismo da Universidade de Columbia, em Nova York. O jornalista e cocriador peruano-americano, junto com sua esposa, do podcast Radio Ambulante, Daniel Alarcón, e o correspondente britânico no México Ioan Grillo também receberam as Medalhas de Ouro Cabot.

Este ano, o júri também decidiu conceder uma Menção Honrosa 2022 ao jornalista independente mexicano Javier Garza Ramos, por sua carreira e esforços para promover a segurança de todos os jornalistas.

O Prêmio Maria Moors Cabot é o prêmio internacional de jornalismo mais antigo do mundo, criado em 1938 pela Universidade de Columbia para reconhecer jornalistas e meios de comunicação que buscam "promover a compreensão interamericana". 

Em cada ano, os vencedores da medalha de ouro também recebem um prêmio de US$ 5 mil. Os vencedores do Prêmio Cabot 2022 e o vencedor da Menção Honrosa serão homenageados na Universidade de Columbia em 11 de outubro, de acordo com o comunicado oficial.

“Os laureados do Prêmio Cabot 2022 dedicaram suas vidas a cobrir histórias complexas e de alto risco”, disse o presidente de Columbia, Lee C. Bollinger. “Eles, como tantos jornalistas nas Américas, continuam a enfrentar ameaças crescentes de violência, censura e assédio por fazerem seu trabalho”.

Mulher de camisa preta e óculos em frente a uma parede com um mural e a palavra "mujeres" (mulheres)

Laura Castellanos, jornalista freelancer e cofundadora da Repórteres en Guardia, do México. (Foto: Luis Cortés)

Castellanos é uma jornalista incansável, feminista e autora de seis livros, que não economiza em "revelar verdades desconfortáveis" e "responsabilizar líderes", mesmo assumindo riscos em seu México natal, disse o comunicado. Além disso, é cofundadora do grupo Reporteras en Guardia, onde ela e centenas de outras repórteres mexicanas criaram o memorial digital Mataranadie.com, que reúne perfis de jornalistas vítimas de violência no México, considerado o país mais perigoso no mundo para praticar o jornalismo.

“Estou muito feliz por receber esta distinção e partilhá-la com três colegas de renome”, disse Castellanos à LJR. “Ser a única mulher nesta edição me compromete a continuar exercendo um jornalismo independente, crítico, com uma perspectiva feminista, comunitária e indígena.”

Homem de terno e gravata vermelha

Daniel Matamala, CHV Noticias, jornalista, autor, Chile. (Foto: cortesia da Universidade de Columbia)

A carreira de Matamala abrange imprensa, rádio e televisão, especializando-se em economia. Assim como ele pode enfrentar as elites da América Latina, ele também pode "mostrar um olhar jornalístico compassivo para aqueles que estão na base da escala econômica e que mais sofrem nas mãos dos poderosos", diz o comunicado do prêmio. Ele escreveu meia dúzia de livros que se concentram em "como o dinheiro nos bastidores manipula a política, a guerra e até os esportes", diz o comunicado.

“No caso do Chile, faz mais de 20 anos desde que um jornalista do país recebeu este prêmio, e os últimos vencedores foram Mónica González e Patricia Verdugo, duas enormes referências por seu corajoso trabalho de reportagem em tempos muito difíceis para meu país”, assegurou Matamala à LJR. "Tomo este prêmio como um incentivo para continuar a exercer um jornalismo vigilante do poder e ao serviço dos cidadãos e da democracia."

Homem de camisa azul em frente a uma parede de tijolos azuis claros

Daniel Alarcón, cofundador da Radio Ambulante, jornalista e escritor (Foto: Cortesia da Columbia University)

Alarcón nasceu em Lima, Peru, e foi criado em Birmingham, Alabama, e foi jornalista, produtor de rádio e romancista. Ele escreve em inglês e espanhol, foi finalista do Prêmio PEN-Faulkner por seu romance “Lost City Radio” em 2007 e recebeu a prestigiosa bolsa “Genius Grant” em 2021. Mas talvez sua contribuição mais inovadora para contar histórias seja a criação do podcast em espanhol Radio Ambulante, onde há mais de uma década publicou "mais de 300 episódios de mais de 20 países, contando histórias de amor e família, migração e dinheiro, cultura juvenil e política", segundo o júri.

“É uma grande honra, claro. O Cabot é um desses prêmios que é muito respeitado entre os jornalistas latino-americanos, e fazer parte dessa história é realmente uma sensação tremenda”, disse Alarcón à LJR. "É uma conquista pessoal, mas também uma grande vitória coletiva para a incrível equipe da Radio Ambulante."

Homem de camisa verde sobre uma parede de tijolos verdes

Ioan Grillo, jornalista freelancer, Estados Unidos. (Foto: cortesia da Universidade de Columbia)

Grillo chegou ao México vindo da Inglaterra em 2000 e nunca mais saiu. Ele publicou mais de mil reportagens do México à América Latina cobrindo a chamada Guerra ao Narcotráfico, que causou uma espiral de mortes, incluindo dezenas de jornalistas nos últimos anos. Escreveu três livros e produziu mais de dez documentários e docusséries sobre a região. Seu livro de 2021 intitulado Blood Gun Money: How America Arms Gangs and Cartels [Dinheiro das Armas de Sangue: Como os Estados Unidos Armam Gangues e Cartéis] foi o resultado de uma investigação de quatro anos que o levou os Estados Unidos para rastrear “este chamado rio de ferro das armas, em um esforço para entender por que Estados Unidos e México falharam tanto em detê-lo”, como ele mesmo escreveu em um artigo do New York Times.

“Estou totalmente empolgado e emocionado por ganhar este prêmio. Tem sido uma estrada longa e pedregosa fazendo jornalismo de guerra às drogas nos últimos 21 anos, produzindo histórias, livros e horas intermináveis ​​de televisão, overdose de estresse e adrenalina e cobrindo muito derramamento de sangue, lágrimas, beleza e heroísmo”, disse Grillo à LJR. “Esse reconhecimento faz tudo valer a pena. É muito significativo para mim."

Homem de terno cinza e camisa branca sobre um fundo preto

Javier Garza Ramos, Menção Especial Maria Moors Cabot Award 2022. (Foto: Cortesia da Columbia University)

“Este ano, o júri destaca a importância do jornalismo investigativo e dos narradores inovadores nas Américas”, disse o presidente do Conselho de Administração do Cabot, Rosental Alves. “Esses quatro vencedores e o homenageado têm talento e valor. Eles nos inspiram com suas conquistas”, acrescentou, segundo o comunicado.

O próprio Garza Ramos, premiado com a Menção Honrosa deste ano, foi vítima de violentos ataques no jornal que dirigia no norte do México, El Siglo de Torreón. Os protocolos de segurança que ele estabeleceu em sua redação após o incidente foram replicados em outros países. Depois de deixar El Siglo, ele continuou a defender a liberdade de imprensa e a proteção dos repórteres no México e além. O seu caso é "um exemplo duradouro de jornalismo destemido e compromisso com os colegas diante da adversidade", disseram os juízes.

“Toda vez que um jornalista mexicano é incluído em um prêmio como o Cabot, é um lembrete de que não estamos sozinhos. Que além das nossas fronteiras há quem nos apoie para tornar o nosso trabalho mais visível”, disse à LJR. “É um privilégio saber que minha contribuição para tornar o jornalismo mais seguro pode ter esse impacto.”

*Nota Editorial: Rosental Alves, Presidente do Conselho de Administração do Cabot, é fundador e diretor do Centro Knight para o Jornalismo nas Américas, que publica a LatAm Journalism Review.

Mais artigos