texas-moody

Rede Centro-Americana de Jornalistas surge como resposta coletiva a ataques à imprensa na região

Nos últimos anos, as liberdades de expressão e de imprensa estão sob ataque, por parte de forças estatais e grupos criminosos, em vários países da América Central. Diante da recente escalada destes ataques em Costa RicaEl SalvadorGuatemalaHondurasNicarágua, profissionais de imprensa destes países se juntaram para fundar a Rede Centro-Americana de Jornalistas, uma resposta coletiva a este cenário de ameaças a comunicadores e meios independentes e críticos de seus respectivos governos.

A Rede foi oficialmente apresentada ao público no dia 3 de novembro na cidade de Antígua, na Guatemala, durante o 12o Fórum Centro-Americano de Jornalismo, o Forocap, organizado pelo meio digital investigativo salvadorenho El FaroCarlos Dada, cofundador e diretor de El Faro, é também um dos fundadores da Rede, conforme disse à LatAm Journalism Review (LJR) outra cofundadora, a jornalista guatemalteca Marielos Monzón.

Segundo Monzón, além dela e de Dada, fazem parte do grupo de fundadores Angélica CárcamoCésar Castro Fagoaga, de El Salvador; Carlos Fernando Chamorro e Wilfredo Miranda, da Nicarágua; Claudia Méndez Arriaza e Quimy de León, da Guatemala; Jennifer Ávila e Telma Mejía, de Honduras; e Giannina Segnini, da Costa Rica.

A iniciativa começou a ser gestada em novembro de 2021 ante a preocupação compartilhada deste grupo de jornalistas com “a deterioração da situação democrática em nossos países e os ataques cada vez mais fortes e sustentados contra as liberdades de imprensa e de expressão, e o enfraquecimento do direito da população a ser informada”, disse Monzón.

“Decidimos que era importante criar uma iniciativa, um espaço que nos permitisse enfrentar juntos esses ataques e assédios contra a imprensa independente. Assim como estamos sendo atacados nos cinco países e existe uma aliança contra a imprensa, uma aliança de poderes corruptos, governos, setores econômicos, políticos e militares e redes criminosas que se uniram para atacar o jornalismo independente, também nós jornalistas independentes tivemos que nos unir e enfrentar esta emergência”, contou ela.

A group of journalists on a stage surrounding a woman speaking on a microphone

Lançamento da Rede Centro-Americana de Jornalistas no 12o Forocap, em Antígua, Guatemala, no dia 3 de novembro de 2022. Foto: Jorge Cabrera / Contracorriente

No lançamento da iniciativa no Forocap, Monzón e Wilfredo Miranda leram o manifesto da Rede, acompanhados por alguns dos cofundadores e jornalistas que no último ano se somaram ao grupo.

“Diante da emergência que estamos atravessando como jornalistas frente à ameaça de regimes que pretendem nos silenciar, e com a convicção de que o jornalismo crítico do poder é essencial para a vida democrática e para a construção de sociedades mais igualitárias, hoje formamos a Rede Centro-Americana de Jornalistas como um espaço plural de articulação, expressão pública e defesa do jornalismo independente”, expressa o manifesto.

Apoio no exílio e na defesa legal

Nos países de origem dos fundadores da Rede, a liberdade de imprensa se encontra ameaçada de diversas maneiras, com a Nicarágua como o caso mais grave. Desde 2018, o governo de Daniel Ortega vem prendendo jornalistas e fechando meios de comunicação independentes e críticos à sua administração. Há redações inteiras no exílio, e o país se tornou “uma enorme prisão”, conforme relataram jornalistas nicaraguenses à LJR em junho.

El Salvador e Guatemala também têm vivido o cerco governamental à imprensa. Os presidentes Nayib Bukele e Alejandro Giammattei, respectivamente, têm investido contra o jornalismo independente por meio de espionagem, medidas legislativas com fins de censura e perseguição judicial. Costa Rica, que até recentemente era considerado um país em “boa situação” para a liberdade de imprensa, tem visto o presidente Rodrigo Chaves reiterar discursos estigmatizantes contra jornalistas e tomar medidas para intimidar meios críticos a seu governo. Já em Honduras, a imprensa “tem vivido uma lenta descida ao inferno há mais de uma década”, segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), e o país segue sendo um dos mais letais para jornalistas nas Américas.

Neste contexto, mais de uma centena de jornalistas da América Central fugiram de seus países nos últimos anos perante ameaças à sua vida e à sua liberdade. Portanto, entre as frentes de trabalho da Rede Centro-Americana de Jornalistas, segundo Monzón, está estruturar um sistema seguro de evacuação, para que profissionais que estejam em risco iminente de morte ou de prisão motivada por seu trabalho tenham vias seguras para sair de seus países.

Nesse sentido, a Rede também vai trabalhar para estabelecer um sistema de acolhimento para jornalistas que tenham que se exilar. Isso inclui garantir moradia e fundos temporários para sua manutenção, além de atenção psicológica para lidar com o trauma da violência sofrida e do autoexílio. Também vai buscar estruturar redes de integração locais, como redações nos locais de destino onde os jornalistas possam ser recebidos e continuar trabalhando.

Outra frente de atuação da Rede será a defesa legal de jornalistas que sejam alvo de perseguição judicial.

“Infelizmente, as ações mais recorrentes dos novos autoritarismos centro-americanos incluem acusações legais contra jornalistas, que são infundadas, mas que envolvem despesas recorrentes que geralmente são inacessíveis para jornalistas em exercício. Gostaríamos, como uma rede, de apoiar a defesa jurídica identificando organizações de apoio para esta ameaça específica. Por exemplo, isto poderia ser feito por meio de defesa pro bono, canalização de fundos, ou também uma forma de estabelecer um escritório de advocacia especializado na defesa da liberdade de expressão”, explicou Monzón.

A Rede também vai se dedicar a expressão pública e incidência, com a realização de campanhas, comunicados e relatórios sobre o estado da liberdade de imprensa da região. O objetivo, neste caso, é “que as pessoas nos países da América Central entendam que atacar jornalistas é negar à sociedade seu direito de ser informada. Não estamos defendendo a prática do jornalismo em abstrato. Estamos defendendo o direito dos povos, das sociedades, de ter informações claras e transparentes sobre os eventos que têm impacto sobre elas”, explicou a jornalista.

Finalmente, a Rede estuda realizar investigações conjuntas entre jornalistas de diversos países, que seriam publicadas também por meios de diversos países, com o objetivo de contornar a censura e o fechamento de meios de comunicação por perseguição governamental.

No entanto, segundo Monzón, o mais importante no momento é consolidar a Rede e conseguir apoio, inclusive financeiro, para levar estes planos adiante.

"É verdade, estamos sob ataque. Estamos sob perseguição. Querem nos silenciar. Mas queremos deixar bem claro que estamos convencidos de que o jornalismo crítico é essencial para que a democracia exista, que não estamos dispostos a permanecer em silêncio e que estaremos articulados e promovendo estas ações para defender a democracia e o direito dos cidadãos a serem informados", disse ela.

More Articles