texas-moody

Violência Contra Jornalistas

Jineth Bedoya Featured Image

Corte IDH condena Colômbia pelo caso de sequestro, tortura e violência sexual contra jornalista Jineth Bedoya Lima

A Corte Interamericana de Direitos Humanos considerou o Estado colombiano responsável pela violação de vários direitos da jornalista Jineth Bedoya Lima pelo sequestro, tortura e violência sexual de que ela foi vítima em 25 de maio de 2000

Grupos ultraconservadores e antivacina ameaçam jornalistas no Peru

Jornalistas peruanos de dois meios de comunicação são perseguidos e ameaçados online por apoiadores de grupos ultraconservadores e antivacina

Protests against murders of journalists in Mexico

Pesquisa de dez anos sobre violência no México vira livro e conta como jornalistas resistem, formam redes e lidam com censura do crime

As professoras Celeste González de Bustamante e Jeannine E. Relly, ambas da Escola de Jornalismo da Universidade do Arizona, passaram os últimos dez anos em uma pesquisa de campo, viajando pelo México e entrevistando mais de cem pessoas para analisar a violência contra a imprensa.

Perfis automatizados representam 20% dos ataques a jornalistas no Twitter no Brasil, diz pesquisa

Uma pesquisa da ONG Repórteres sem Fronteiras (RSF) e do Instituto Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS-Rio) mostra que as redes sociais se tornaram um território hostil para a imprensa no Brazil. Num período de três meses, entre 14 de março e 13 de junho de 2021, os pesquisadores identificaram 498.693 ataques a jornalistas e à imprensa de uma forma geral no Brasil. Um quinto do total dos ataques veio de contas com alta probabilidade de comportamento automatizado, ou seja, robôs.

Policía Nacional Civil de El Salvador

Alerta em El Salvador, onde aumentam a violência e discursos estigmatizantes contra jornalistas

O ano de 2021 parece ser um dos mais violentos e restritivos contra jornalistas em El Salvador, segundo a Associação de Jornalistas de El Salvador (APES).

Featured Image Risk

Autocensura e ação coletiva são estratégias de jornalistas no México e no Brasil para lidar com riscos na profissão, aponta estudo

Um estudo publicado recentemente revelou como jornalistas no Brasil e no México lidam com o estresse resultante de experiências de risco na profissão, e como estas vivências estão conectadas a questões estruturais que afetam o campo de trabalho do jornalismo.

Alex Silveira: 21 anos em busca de justiça por ter ficado cego de um olho após ser atingido por uma bala de borracha disparada pela polícia de São Paulo. Foto: Sergio Silva/Ponte Jornalismo

Jornalistas que perderam a visão após serem feridos na cobertura de protestos enfrentam longas batalhas judiciais

Uma decisão do Supremo Tribunal Federal do Brasil reconheceu o direito à indenização de um fotojornalista que ficou cego após ser atingido por uma bala de borracha há 21 anos. A sentença potencialmente abre as portas para que outros jornalistas feridos em situações semelhantes também tenham reconhecido o seu direito.

Jineth Bedoya Lima

Decisão da Corte Interamericana no caso Jineth Bedoya pode ser transformadora para jornalistas colombianos, afirma organização de liberdade de imprensa

Em entrevista à LJR, Jonathan Bock, diretor executivo da FLIP na Colômbia, explica a importância da decisão da Corte Interamericana de Direitos Humanos no caso da jornalista Jineth Bedoya e suas implicações para a liberdade de expressão e as mulheres jornalistas na região.

Protests against murders of journalists in Mexico

Nos quatro países mais mortíferos para a imprensa da América Latina, estes são os jornalistas assassinados, onde trabalharam e o que cobriram

As informações sobre o perfil dos jornalistas assassinados na última década nos quatro países da região com mecanismos de proteção deixam clara a necessidade de fortalecê-los. Os dados foram obtidos durante o desenvolvimento do projeto "Baixo Risco - Análise dos programas de proteção a jornalistas na América Latina" realizado pela RSF com apoio da Unesco.

Ataques a jornalistas cresceram 41% em 2020 na Argentina e estão mais espalhados pelo país, indica monitoramento do Fopea

Depois de dois anos de relativa estabilidade, os ataques a jornalistas deram um salto de 41% na Argentina no ano passado e chegaram a 82. Em 2019, haviam sido registrados 58 ataques enquanto 2018 contou com 51. Os dados são do Informe del Monitoreo de Libertad de Expresión 2020, do Foro de Jornalistas Argentinos (Fopea, na sigla em espanhol).